RCO lança central dosadora para 30 m³/h

Compacto, móvel e robusto, equipamento é aposta da fabricante para retomada do crescimento da construção civil em 2017

A RCO, fabricante de centrais dosadoras de concreto e silos de armazenagem do interior de São Paulo, anunciou o lançamento da central dosadora móvel Nomad D-30. Compacto, o equipamento foi desenvolvido para ser facilmente transportado por caminhões. Com capacidade de produção estimada em 30 m³ de concreto por hora e tempo de montagem de até 7 horas, ele nasce com o objetivo de atender às demandas mais flexíveis do setor concreteiro, sendo uma alternativa às centrais dosadoras tradicionais.

Entre as características da Nomad, destacam-se a produção de concreto por ciclo (estimada em 8m³), sua balança de agregados com capacidade para suportar até 18.000 kg e seu sistema de água, composto por um hidrômetro, contador digital, válvula pneumática e bomba d’água. “Além disso, a Nomad pode ser facilmente acoplada a um silo horizontal de armazenagem”, diz Eduardo Souza, diretor da RCO. De acordo com ele, os silos podem variar de tamanho, chegando ao máximo de 52 toneladas.

Lançada cerca de um ano depois de sua antecessora (a Nomad D-20), a nova central nasce como uma evolução de portfólio. Diferentemente do equipamento anterior, a Nomad D-30 foi criada para ser mais robusta, com capacidade para trabalhar com uma maior carga de agregados e acoplada a silos maiores.

Segundo Souza, a eficiência do equipamento já pôde ser testada pelos engenheiros da RCO em laboratório. Isso porque a produção da Nomad D-30 pode ser ainda maior do que a produção nominal dada pela fabricante. “Os 30 m³/hora de concreto podem ser alcançados facilmente quando a central é abastecida por uma carregadeira com concha de 1,2 m³, comum no mercado”, explica. “Quando aumentamos o tamanho da concha para 1,5 m³, conseguimos obter a produção de até 33,7 m³/hora”, complementa.

Além disso, os testes realizados comprovaram a eficiência da produção da central, que pode sofrer ganhos também de acordo com a habilidade do operador da pá carregadeira, traço do concreto e de acordo com a qualidade dos insumos utilizados e umidade dos agregados.

Além das centrais dosadoras móveis, a RCO apresenta opções de equipamentos fixos e equipamentos com o sistema “tow gow” e rasga saco, que otimizam o processo de produção quando o cimento adquirido pela concreteira não é a granel.

Veja mais detalhes do equipamento no vídeo do link abaixo: https://www.youtube.com/edit?o=U&video_id=uy9aVH6Vbeg

Caso se interesse em conhecer outros equipamentos da marca, registre-se no site e acompanhe o catálogo RCO: http://rco.ind.br/downloads/

Concreteira high tech: do pedido automatizado à entrega monitorada

Componentes do sistema de segurança para silos utilizado pela FIT Concreto. Foto: divulgação

Cultura inovadora fez a FIT Concreto automatizar os processos de produção e entrega de concreto, incluindo monitoramento de agregados, aditivos, passando pelo controle da entrega – via GPS – dos caminhões betoneira.

A produção de concreto usinado com tecnologia de ponta tem sido a estratégia da FIT Concreto para o fornecimento de um produto de alta qualidade e com a entrega dentro do prazo combinado. A concreteira, situada na cidade de Tambaú (SP), investiu na instalação de softwares de automatização – responsáveis pelo gerenciamento de grande parte das etapas de fabricação de seu concreto – para garantir ambas as características.

A tecnologia acontece desde a contratação do serviço, realizada por telefone ou pessoalmente por intermédio de um representante FIT. “Com o pedido realizado, nosso sistema ERP (Planejamento dos Recursos da Empresa, em português) emite o contrato e o coloca, automaticamente, na programação de entregas diárias, fazendo o cruzamento de todos os pedidos do dia”, explica Rudah Celestino, consultor técnico  Comercial da empresa.

Segundo ele, o passo seguinte é a emissão de uma ordem de carregamento com todos os dados dos agregados necessários para a fabricação do concreto. O processo otimiza o trabalho dos colaboradores que atuam na fabricação direta do produto, caso do operador da pá carregadeira, que abastece a central dosadora de concreto, e o balanceiro, que se certifica de que a quantidade de insumos está correta para a produção do concreto solicitado.

No caso da entrega, o sistema de monitoramento da frota de caminhões em tempo real, via GPS, é quem auxilia os engenheiros da concreteira a definirem a logística para o cumprimento dos prazos acordados. “O monitoramento nos dá dados de entregas passadas e, com base nessas informações, conseguimos entender qual será a logística do dia”, explica Celestino.

Segundo ele, o sistema considera o tempo de carregamento, distância do local da obra, tempo de viagem do caminhão carregado, tempo de descarregamento do concreto e tempo de retorno do veículo vazio. O consultor salienta ainda que esse processo é necessário, já que atrasos na entrega podem comprometer a aplicação do concreto.

A automatização também envolve os silos de armazenagem. Um mecanismo de controle monitora todas as condições internas e externas do equipamento, garantindo a integridade dos operadores. “Vale dizer que nossa equipe de engenharia tem se dedicado a descobrir novas formas de aplicação da automatização na planta para otimizarmos ainda mais a operação”, finaliza Celestino.

Na contramão da crise, RCO amplia fábrica em Tambaú, lança novos produtos e prevê crescimento de 20% em 2015

Empresa também cria índice para avaliar desempenho de centrais de concreto e silos de armazenagem. Novidades serão apresentadas na edição 2015 do Concrete Show, que acontece de 26 a 28 de agosto no São Paulo Expo

Carlos de Oliveira, Diretor da RCO

O ano de 2015 teria tudo para brecar a RCO: a construção civil, de modo geral, está em modo de espera e os projetos de infraestrutura também caminham a passos lentos. Mas a empresa, fabricante de centrais de concreto e silos de armazenagem, resolveu partir para o ataque. A estratégia é aperfeiçoar seus produtos, criando equipamentos diferenciados e com maior tecnologia, ampliar o conhecimento detalhado dos clientes e investir nas suas duas unidades de produção sediadas em Tambaú, no interior de São Paulo. Em termos de resultados, as iniciativas devem levar ao crescimento de 20% em 2015, percentual suportado tranquilamente pelo aumento de 35% nas instalações de sua fábrica principal. “Nossa meta é totalmente realista, porque estamos ganhando espaço de mercado, mesmo que o crescimento seja mínimo em 2015”, resume Carlos Donizetti de Oliveira, diretor executivo da RCO.

Reforçando o conhecimento do “padrão de uso” no cliente  

A experiência de mais de 20 anos de mercado, e há 07 atendendo o mercado consumidor de centrais de concreto e silos de armazenagem deu à RCO um fôlego para posicionar equipamentos como a tecnologia de silo horizontal adotado pelo Consórcio Linha 4 Sul, construtor da linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro. Mas, desde 2014, a empresa criou um departamento exclusivo para entender melhor o que os usuários esperam de centrais de concreto e silos de armazenagem. Trata-se do Serviço Ampliado Direcionado (SAD). O departamento tem uma agenda prevista de 700 auditorias in loco nos clientes da RCO até o final do ano.

O levantamento mais recente envolveu a visita a mais de 250 plantas no Brasil e apontou os principais pontos de melhoria. “Com base nos dados reais de operação, criamos o Índice RCO, que mede a performance das centrais e silos de concreto, ressaltando o aumento da produtividade e conferindo maior segurança em campo”, explica Oliveira. Inédita no setor, a criação do SAD cria uma massa crítica de informações que pode orientar novos clientes da RCO a tirarem o máximo de produtividade de seus equipamentos.

 

Novos equipamentos para novos mercados

Nomad D-20

O melhor conhecimento do cliente – e do momento atual da economia brasileira – também impulsionou a RCO a destacar soluções mais compactas para empresas que começam a entrar no mercado de produção de concreto. Duas dessas soluções são destaques no Concrete Show desse ano: a Central Dosadora de Concreto Móvel Nomad D-20 e o Silo Aparafusado Vertical com diâmetro de 3000 mm. Nos dois casos, a principal característica é a mobilidade. O silo, por exemplo, com montagem aparafusada permite que seja deslocado, rapidamente de uma obra a outra, diferenciando-se dos modelos montados com solda. Além disso, a logística para transporte destes novos equipamentos é reduzida e ainda podem ser transportados em contêineres. Já a Nomad D-20, com capacidade para 20 m³/h, pode substituir centrais dosadoras tradicionais. No Concrete Show 2015, ela será apresentada em conjunto com um silo horizontal, outra diferenciação da RCO. “Ambos representam bem nossa campanha “Equipamentos Compactos – Grandes Resultados”, nosso mote para novos mercados.”, explica Oliveira.

A Nomad RCO acaba de ser escolhida como a vencedora do Prêmio Techné de Inovação na Construção Civil 2015 – iniciativa da Editora PINI em conjunto com a Revista Téchne, cujo objetivo é identificar e premiar empresas pelo desenvolvimento de produtos, sistemas construtivos ou equipamentos inovadores, capazes de melhorar a produtividade nas obras e o desempenho do ambiente construído.

Tecnologia de ponta já adotada no Brasil

Além de novas soluções, a RCO vai destacar soluções inovadoras já adotadas no Brasil. É o caso do silo horizontal, cuja maior vitrine brasileira é a construção da Linha 4, do Metrô do Rio de Janeiro. Três deles estavam alocados na obra e foram especialmente desenhados em função da limitação de altura dos túneis da via em construção. A eficiência do equipamento é garantida pelo sistema de extração de material exclusivo da RCO, onde o processo é realizado através de rosca transportadora tipo calha. Essa tecnologia oferece escoamento perfeito do material devido ao contato que ele tem com a rosca transportadora ao longo de todo o percurso do helicoide (hélice), presente na parte inferior do silo.

Silo pro horizontal RCO

A marca RCO também está presente em processos inovadores como o da AVS Artefatos, do Rio Grande do Sul. Fabricante de blocos de concreto leve, a companhia é a primeira, no Brasil, a adotar o poliestireno (isopor) como ingrediente da produção de concreto leve, material que pode reduzir, em média, 30% do custo total de obras. Além de sustentável, a tecnologia agrega uma economia média de 30% no custo final de uma obra em relação à alvenaria tradicional. Na planta da fabricante gaúcha, os dois silos modelo S-70-98, têm capacidade para armazenar 98 toneladas de materiais: um deles é abastecido com cimento Portland e o outro com cinzas volantes de carvão, operando em sincronia para abastecer os equipamentos de mistura que alimentam a produção do bloco celular.

Dispositivo garante maior segurança aos silos

Sistema de segurança para silos comercializado pela RCO

Outra novidade da RCO no Concrete Show 2015 é o dispositivo que aumenta a segurança da operação de silos verticais e horizontais da própria marca ou de outros fabricantes. O sistema inclui sensores, painéis eletroeletrônicos e avisos sonoros, indicando os níveis de armazenagem do silo. A tecnologia também monitora a ocorrência de excesso de pressão no interior do equipamento. Com esses dados, os técnicos e responsáveis conseguem evitar possíveis riscos de explosões ou implosões, acidentes com colaboradores e entupimentos de filtros. Além da segurança dos operadores, o dispositivo de segurança amplia a durabilidade estrutural do silo. “O risco de explosões sempre deve ser avaliado, principalmente em locais fechados como os túneis, mas a instalação do dispositivo é opcional”, detalha Oliveira.

Projeto FIT avança como novo formato de negócio

Primeira no Brasil a oferecer um processo completo para instalação de usinas de concreto, incluindo planejamento, processos e equipamentos eficientes, a RCO vai reforçar a “inovabilidade” do Projeto FIT. Diferenciado, o modelo inclui serviço completo de consultoria para dimensionamento do negócio, incluindo escolhas logísticas, definições dos equipamentos e treinamento de mão de obra. Esta inovação inclui ainda um roteiro completo de informações necessárias para o planejamento estratégico na montagem de plantas para produção de concreto usinado.

O FIT está apoiado em três pilares: inteligência, economia de recursos e redução no período de implantação. Entre os principais serviços, o FIT oferece estudo de viabilidade econômica e elaboração do planejamento estratégico, incluindo aspectos de marketing, organograma e projeções de fluxo de caixa. “Ainda engloba projeto arquitetônico, instalação e start-up dos equipamentos e construção de prédio administrativo”, completa Oliveira.

Para comprovar a eficiência do projeto, a RCO está construindo uma planta piloto em Tambaú, interior de São Paulo, ao lado da filial da empresa. Dessa forma, clientes e parceiros poderão acompanhar de perto o funcionamento do FIT.