Linha de financiamento FINAME com juros a 2,5% ao ano!

Medida estimula o investimento em máquinas e equipamentos para promover o crescimento econômico.

No início do segundo semestre, a ABIMAQ - Brasileira de Indústrias de Máquinas e Equipamentos – fez uma reivindicação ao governo federal para que ocorressem incentivos ao setor. Entre as reivindicações, constava a  prorrogação das condições atuais de financiamento da linha PSI-Finame, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Além da prorrogação, a associação pediu que seja permanente a linha, que prevê taxa de juros de 2,5% ao ano para a compra de máquinas, equipamentos e veículos pesados.

Após a reunião de reivindicação, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, concedeu os benefícios:

- Redução da taxa de juros da linha PSI – FINAME, para 2,5% ao ano (agora os juros são negativos); 

- Redução da linha PSI para exportação, de 9% para 8% para as grandes empresas e mantidos os 7% para as pequenas e médias; 

- Prorrogação da Desoneração do IPI para máquinas e equipamentos, até 31/12/13;

Sendo assim, para a linha de financiamento PSI-4, que envolve a aquisição de bens de capital, fixou-se a taxa de juros em 2,5% ao ano com vigência até 31/12/2012.

Com informações de Estadao.com e ABIMAQ

UHE Teles Pires com soluções em armazenamento RCO

Canteiro da UHE Teles Pires em janeiro de 2012: 1.820 megawatts de energia para abastecer 2,7 milhões de famílias. Fonte: Flickr – minplanpac

A Hidrelétrica de Teles Pires, em seu canteiros de obras, inicia a utilização de soluções RCO em armazenamento. Para esta obra, foram montados 5 silos aparafusados com 1.000 toneladas de capacidade e outros 6 silos soldados com 150 toneladas de capacidade cada equipamento, totalizando assim 5.900 toneladas de cimento armazenados em silos RCO.

Todo esse volume armazenado de cimento garante à obra uma segurança quanto ao seu andamento, pois, ao considerar o cimento como  um dos materiais fundamentais para a evolução da obra, é necessário que o mesmo esteja sempre disponível no canteiro. Leva-se também em consideração a localização da obra  e seu difícil acesso que contribuem para que haja uma quantidade considerável de cimento armazenado.

A Usina Hidrelétrica Teles Pires, sendo uma obra dentro do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento –  será construída no Rio Teles Pires, afluente do rio Tapajós, na fronteira dos estados do Pará e Mato Grosso, nos municípios de Jacareacanga (PA) e Paranaíta (MT). A UHE Teles Pires terá potência instalada de 1.820 megawatts, suficiente para abastecer uma população de 2,7 milhões de famílias.

Silos Soldados RCO com 150 toneladas em capacidade de armazenamento.

Silo Aparafusado RCO de 1.000 toneladas de capacidade em fase de montagem: a modularidade desta solução facilita da fábrica até a obra.

Com informações em Usina Hidrelétrica Teles Pires

>>>Consulte soluções em armazenagem RCO

Construção civil atrai jovens atrás do primeiro emprego

Fonte: G1

“Falta de profissionais qualificados na área de construção desperta interesse de quem quer ingressar no mercado de trabalho.

A indústria da construção civil é considerada o termômetro da economia brasileira, já que representa 13% do PIB nacional, e tem a maior cadeia produtiva, pois estimula a indústria de materiais e fornecedores, da construção, comércio de materiais e serviços (como azulejistas, encanadores, pintores e etc). 

Dados da Anamaco, Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção, apontam que toda a cadeia da construção civil emprega 15 milhões de pessoas, sendo quatro milhões diretamente. A entidade também reforça que falta mão de obra especializada, sobretudo, para atender a demanda de produtos novos e mais eficientes como edificação pré-fabricada, drywall e muitas técnicas que ainda são novas para grande parte desses trabalhadores.

Os números são muito atraentes para os jovens que estão de olho no mercado profissional em busca de uma oportunidade. Para o avaliador da Olimpíada do Conhecimento, Anderson da Silva Campos, a tecnologia empregada pelas empresas de construção ainda atrairá muitos investimentos para o setor. Ele frisa, entretanto, que mesmo com tanto aporte no mercado, a demanda gerada ainda não é suprida, em parte pela falta de qualificação e, também, pela baixa produtividade da própria indústria.

“A demanda é maior que a procura. Mesmo com o aumento do número de escolas e cursos, não há alunos suficientes para atender à quantidade de obras existentes. Para termos uma ideia, a reforma no Maracanã envolve 5.400 profissionais, trabalhando em dois turnos, 24 horas por dia”, afirma.

Observando o panorama atual do mercado brasileiro, justifica-se porque 18 das 54 ocupações, que estarão na 7° Olimpíada do Conhecimento, são relacionadas com a área da construção.

“São portas que se abrem. Em apenas dois anos eu consegui me sobressair diante de outros colegas, porque compreendo o processo e, com isto, posso ter mais qualidade no meu trabalho”, afirma Rodrigo Miguel. O jovem, de apenas 19 anos, treina das 8h às 18h e irá competir pela ocupação Construção em Alvenaria. À noite, faz o curso Tecnologia de Edificações, também no SENAI.

O curso, inclusive, é uma ocupação demonstrativa na Olimpíada, ou seja, será avaliado como uma nova modalidade a ser incluída em edições futuras. Seguindo a tendência do mercado, a justificativa do avaliador é simples. “É preciso analisar a sincronia e o bom andamento da equipe. É isto que observamos no dia a dia: planejamento, organização da equipe e do trabalho, segurança – que é fundamental – e a conclusão da obra. Tem que haver uma sinergia entre todos os competidores, assim como no mercado de trabalho também”, conclui.”

Centrais de concreto RCO registram alta produtividade

No Comperj, a central de concreto RCO, projetada para produzir nominalmente 80 m3/h, atingiu a marca de 88 m3/h.

“As centrais dosadoras de concreto RCO, modelos CDR 80 e CDR 40, vêm registrando altos índices de produtividade, que vão além das respectivas especificações nominais, segundo a empresa fabricante. Elas são projetadas visando robustez e qualidade técnica com o uso de materiais com qualidade e durabilidade. 

Na obra da nova fábrica da Votorantim em Rio Branco do Sul (PR), a RCO instalou a central dosadora CDR 40. Com um índice nominal de produção de concreto em 40 m3/h, técnicos da RCO e operadores do equipamento registraram uma produtividade além do esperado. Conforme aferição, a CDR 40 vem produzindo, em um período de uma hora, 7 cargas de 8 m3 de concreto, o que equivale a 56 m3/h, o que implica produção 40% maior do que o índice nominal do equipamento. Além disso, a central opera sem interrupção, registrando situações de trabalho contínuo de 18 dias e noites sem apresentar paradas. 

Em outro canteiro de obras, o do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), a central de concreto do modelo CDR 80 opera desde agosto de 2012. Projetada para produzir nominalmente 80 m3/h de concreto, operadores do equipamento em campo notaram que nos primeiros dias de operação a central já atingiu a marca de 11 cargas de 8 m3/h, totalizando 88 m3/h. A empresa destaca que os índices de produtividade atingidos “não prejudicaram em nenhum momento a qualidade do traço”.”

Fonte: Revista O Empreiteiro

Melhores do Ano 2012 – Tambaú

RCO participa novamente do evento “Melhores do Ano” realizado na cidade de Tambaú. Anualmente, o evento exalta entidades, sejam elas empresas, instituições ou profissionais liberais, que promovem o desenvolvimento local durante o ano.

Frente à comunidade, a RCO a entende como um importante stakeholder de onde vem grande parte de sua mão de obra. Sendo assim, participar do desenvolvimento de modo direto e significativo da comunidade tambauense faz com que a RCO seja sempre reconhecida por parte da organização do evento.

Tradicionalmente, durante o evento, ocorre o jantar com a respectiva entrega dos certificados.

A RCO agradece o reconhecimento e rearfima que o fomento ao desenvolvimento local através do uso da mão-de-obra será sempre uma de suas diretrizes administrativas.