RCO forma equipe para aprimorar centrais de concreto

Equipe RCO: foco em melhorias para as Centrais de Concreto.

A RCO lançou no mercado, no início do segundo semestre de 2012, centrais dosadoras de concreto. As novidades foram muito bem recebidas pelo mercado por conta da qualidade e eficiência dos equipamentos, atributos estes que fizeram parte, desde o início, do conceito de projeto destas soluções RCO. Resultados e feedback´s positivos já começam a surgir onde registrou-se  índices elevados de produtividade e resistência dos equipamentos em operação.

No entanto, para manter a qualidade e o aprimoramento constante nas Centrais Dosadoras RCO, a empresa formou uma equipe de técnicos cujo objetivo, entre os já citados, é garantir que os equipamentos RCO estejam alinhados às necessidades dos clientes, bem como ocorrer uma compreensão técnica global destas soluções e agilizar solicitações em manutenção ou dúvidas técnicas. A agilidade nas respostas da empresa vem de encontro com a condição de oferta a pronta-entrega para estes equipamentos RCO.

A equipe, composta por montadores e técnicos mecânicos e elétricos, e ainda coordenada por engenheiros mecânicos, recebe treinamentos constantes dentro durante o processo de fabricação  e em campo, com o equipamento em funcionamento nas condições reais de uso para aferimento de indicadores.

Para 2013, uma das principais orientações é que os integrantes deste time apresentem sugestões de melhorias em todos os aspectos dos equipamentos, desde o projeto, passando pelo atendimento, fabricação e pós-vendas.

Oscar Niemeyer, o arquiteto das “curvas de concreto”

Faleceu aos 104 anos de idade o arquiteto brasileiro mundialmente conhecido, Oscar Niemeyer. Famoso por suas importantes obras espalhadas pelo Brasil, entre elas a construção da cidade de Brasília na década de 50 juntamente com Lúcio Costa, é reconhecidamente um dos mais importantes arquitetos brasileiros, com um traço singular.

Nascido no Rio de Janeiro, onde também se graduou em arquitetura e iniciou seus primeiros trabalhos. Na década de 40, conhece Juscelino Kubitschek, então prefeito de Belo Horizonte, e recebe a encomenda do projeto do Complexo da Pampulha, onde se destaca a Igreja de São Francisco de Assis, com o teto todo curvo. Já na década de 50 recebe o convite para o desenvolvimento da nova capital do Brasil, Brasília, onde destacam-se as obras do Palácio da Alvorada, Palácio do Planalto e Palácio do Itamaraty. Após o golpe militar na década de 60, refugia-se em Paris, França.

Em sua trajetória profissional ainda destacam-se obras que são marcantes pela sua estética e importância conceitual e cultural: Edifício Copan, edifício do Partido Comunista Francês, Editora Mondadori – Milão, Memorial JK, Projeto do CIEPS, Passarela do Samba, Memorial da América Latina, Museu de Niterói, Auditório do Ibirapuera, Museu Oscar Niemeyer, Centro Cultural Niemeyer na Espanha.

Sobre todas essas obras, permanecia o conceito das curvas no concreto, inibindo os traços retilíneos e dando uma leveza às estruturas. Foi um trabalhador contínuo, querendo permanecer trabalhando dias antes de falecer.

“A vida é importante; a arquitetura não é. Até é bom saber das coisas da cultura, da pintura, da arte. Mas não é essencial. Essencial é o bom comportamento do homem diante da vida”

Construção civil ajudou indústria a crescer no 3º trimestre

Fonte: Estadão

RIO DE JANEIRO – O crescimento da indústria no terceiro trimestre de 2012, de 1,1% ante o segundo trimestre do ano, foi influenciado pela indústria de transformação, que cresceu 1,5%, e pela construção civil, que apresentou alta de 0,3%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta sexta-feira. As demais atividades pesquisadas nas contas nacionais apresentaram taxas negativas. A extrativa mineral caiu 0,4% e o grupo de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana retraiu 0,5%.

Segundo o IBGE, entre os serviços, registraram crescimento os de informação (0,5%), comércio (0,4%), atividades imobiliárias e aluguel (0,4%) e outros serviços (0,3%). Administração, saúde e educação pública (0,1%) e transporte, armazenagem e correio (-0,1%) ficaram estáveis. Intermediação financeira e seguros apresentou recuo de 1,3%.

Já em comparação ao terceiro trimestre do ano anterior, a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre captou queda de 0,9% da indústria, puxada pelas quedas, em volume, do valor adicionado do setor extrativo mineral (-2,8%) e da indústria de transformação (-1,8%).

“No que se refere a esta última, o resultado foi influenciado, principalmente, pela redução da produção de máquinas e equipamentos; materiais eletrônicos e equipamentos de comunicação; veículos automotores; artigos do vestuário e calçados; metalurgia básica; e materiais elétricos. O IBGE registrou crescimento nas demais atividades industriais – eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (2,1%) e construção civil (1,2%).

Para a mesma base de comparação, o setor de serviços cresceu 1,4%, influenciado pela redução do spread bancário e da taxa básica de juros, além da inadimplência. Esses fatores determinaram o recuo da intermediação financeira e seguros em 1,0%. Também o segmento de transportes, armazenagem e correio caíram (-0,7%). As demais atividades apresentaram alta: administração, saúde e educação pública (2,7%), serviços de informação (2,3%), outros serviços (1,7%), serviços imobiliários e aluguel (1,5%) e comércio (1,2%).

A alta de 1,1% da indústria foi o melhor resultado desde o segundo trimestre de 2010, quando avançou 2,1%. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a indústria reduziu o recuo, passando de uma queda de 2,4% no segundo trimestre para uma retração de 0,9% no terceiro trimestre.