RCO demonstra supremacia de suas Centrais Dosadoras Fixas

A linha de Centrais Dosadoras Fixas da RCO inclui modelos de 30 a 120 m³ por hora de produção de concreto e se destaca no mercado pelos preceitos de inovação e durabilidade. No aspecto inovação, um diferencial recente é o incremento de silo e balança de cimento no conjunto, algo pontuado como upgrade da série anterior de Centrais Dosadoras Fixas da RCO, a RS.

Os modelos podem ser instalados em qualquer região do Brasil e a RCO dispõe de tecnologia e corpo técnico para efetuar o dimensionamento diferenciado para instalação em áreas com atividades sísmicas, alta salinidade ou outros vieses climáticos.

No aspecto tecnológico, os equipamentos da RCO trazem esteiras transportadoras com sistema otimizado de roletes, que proporcionam maior vida útil às correias, dotadas de raspadores internos e externos. O bocal de descarregamento também é de tecnologia avançada, todo feito em chapa de aço de alta resistência e sistema de redução de desgaste.

Passível de aquisição via Finame e cartão BNDES, a RCO assegura garantia de 12 meses para suas Centrais Dosadoras Fixas e comprova a qualidade de seus produtos com uma gama ampla de casos de sucesso, envolvendo clientes como Odebrecht, Camargo Corrêa, Engemix e outras (veja mais sobre os cases em www.rco.ind.br/cases)

Paraná ampliará participação no mercado nacional de cimento (*)

O Estado é o terceiro maior produtor de cimento do Brasil e caminha para galgar posições nesse ranking. O primeiro passo será a instalação de uma planta da fabricante de cimentos Tupi, de Volta Redonda (RJ), que vai expandir suas operações para a região Sul do país. A companhia estima investir R$ 915 milhões em uma fábrica em Adrianópolis (distante cerca de 130 quilômetros de Curitiba).
O município é rico em matérias-primas e está em processo de receber outras duas indústrias cimenteiras, segundo Luiz Eduardo Sebastiani, secretário da Fazenda do Estado do Paraná. “O Estado é o terceiro maior produtor de cimento, atrás de Minas Gerais e São Paulo, mas algumas cidades ainda não atraem muitas indústrias, por isso intensificamos os incentivos”, disse ele ao jornal Folha de São Paulo.
A companhia estima que a nova planta produza 1,5 milhão de toneladas de cimento ao ano e movimente 250 empregos diretos e 1.200 indiretos. “Por conta dos altos custos do frete, a planta atenderá o mercado até 150 quilômetros do entorno do município. As operações devem começar em três anos”, diz Rodrigo Frazão, diretor da Tupi.
A companhia, fundada em Volta Redonda (RJ), tem unidades também em Carandaí (MG) e Mogi das Cruzes (SP), que produzem os cimentos portland composto e portland de alta resistência. São fabricados cerca de 2 milhões de toneladas do produto por ano nas três plantas.
As empresas Margens Cimento, Companhia Vale do Ribeira e Cimento Tupi vão receber incentivos como parcelamento de ICMS incremental, imposto diferenciado para energia elétrica e gás natural, entre outras ações. “A expectativa é que o Estado se torne um polo produtor de cimento e fique ainda melhor posicionado do que já está”, afirma o secretário da Fazenda paranaense.
* Com informações da Folha de São Paulo

 

Welmix mede resultados de central de concreto da RCO em Uberlândia

A Welmix Concreto, empresa sediada em Uberlândia (MG), adquiriu sua primeira central de concreto, uma CDR-40 da RCO, para atender à crescente gama de clientes na cidade. O equipamento integra a frota da empresa desde setembro de 2013, trabalhando com uma produção de 40 m³/h. A central de concreto está equipada com silo de cimento de 100 toneladas de capacidade.
De acordo com o Gerente de Produção da Welmix Concreto, Cassiano Silveira, o equipamento atendeu a todos os requisitos necessários e já produziu mais de 10 mil m³ de concreto desde que foi instalado. “Estamos satisfeitos com o produto e pronto-atendimento da RCO para ajustes e acompanhamento, garantindo a qualidade que pudemos ver durante a Concrete Show 2013, onde a usina estava exposta”, afirma.
As pequenas e médias demandas para construir moradias representam quase a totalidade dos negócios da Welmix, que atende estritamente à cidade de Uberlândia. Para Silveira, além de ser um mercado de bom faturamento, as pequenas encomendas pulverizam o negócio, permitindo que a Welmix faça cerca de 15 entregas por dia. “Atendemos essa demanda com quatro caminhões betoneira que temos disponíveis na frota”, diz Silveira. “O atendimento pulverizado, para nós, é mais rentável do que o atendimento a grandes obras”, completa.
Segundo o especialista, o negócio cresce bastante desde 2010, quando foi inaugurada a empresa, em parceria com a Welmix Areia e Brita. “Começamos com esse nicho depois que a empresa identificou o crescimento de demanda por concreto na cidade mineira, algo decorrente da expansão urbana”, diz. “Houve um grande desafio para começarmos, principalmente no que tange atender aos clientes nos prazos e horários de entrega. Isso nos mostrou que, mesmo no nosso caso, com conhecimento no mercado de areia e brita, o trabalho com concreto é totalmente diferente e requer especialização”, conclui.