RCO apresenta soluções em centrais de concreto no III Workshop da revista O Empreiteiro

Como tema em 2015, o III Workshop da revista O Empreiteiro apresentou “As práticas de sucesso na gestão profissional de obras e projetos”. Acompanhando o tema proposto pela organização do evento, a RCO participou da ocasião com dois palestrantes: Mauro Conceição dos Santos, diretor da BR Mix – parceira da fabricante – e Leonardo Cavalcante, coordenador técnico de Vendas da RCO.

Mauro dos Santos, Diretor da BR Mix

A primeira apresentação, ministrada por Santos, teve 15 minutos de duração e foi suficiente para que ele conseguisse passar suas experiências com as centrais dosadoras fabricadas pela RCO. “Conseguimos perceber que os visitantes gostaram do que viram”, conta Leonardo Cavalcante.

Leonardo Cavalcante, coordenador técnico de Vendas da RCO

Depois de apresentada a visão do usuário, partiu-se para a segunda palestra. Conduzida por Cavalcante, o tema abordado foi “Flexibilidade e agilidade da central dosadora móvel de concreto NOMAD D-40”. De acordo com o coordenador de Vendas, a segunda palestra foi bastante produtiva contanto, inclusive, com vídeos do equipamento. “Foi uma boa oportunidade para mostrar nossas soluções a uma grande plateia”, diz Cavalcante. “Passamos informações de montagem e operação, o que contribui para o aperfeiçoamento do canteiro de obras”, completa.

Dado o sucesso da experiência, Cavalcante salienta que a intenção da empresa é participar, cada vez mais, de eventos como este. “Estar presente em eventos desse tipo é muito importância para nós, pois nos aproxima do setor”, finaliza.

Obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro adotam silos horizontais da RCO

Equipamentos personalizados foram a solução para montagem de dispositivos de armazenamento em local com restrição de altura

Prevista para entrar em funcionamento no primeiro semestre de 2016, a Linha 4 do Metrô carioca deve transportar cerca de 300 mil pessoas por dia e retirar nada menos do que 2 mil veículos por hora no pico do trânsito no Rio de Janeiro. O projeto liga as regiões da Barra da Tijuca à Zona Sul e inova em vários aspectos. Um deles é a adoção de silos horizontais, da RCO, no canteiro de obras do Consórcio Linha 4 Sul, responsável pelas obras da Linha 4 do Metrô entre Ipanema e a Gávea.


Os silos horizontais foram uma opção para a falta de espaço vertical, uma vez que obras em túnel apresentam limitação de altura. A RCO participou do desenvolvimento do silo com as dimensões necessárias para o projeto. Quanto à operação, o sistema funciona da mesma forma que os silos verticais.

Dos três silos horizontais usados pelo Consórcio Linha 4 Sul na obra, dois são utilizados para estoque de cimento e o terceiro pelo armazenamento de bentonita. Juntos, o trio de equipamentos serve para alimentar o material utilizado na central de grout (argamassa composta por cimento, areia, água, quartzo e aditivos especiais). O grout é a matéria-prima do grauteamento, processo de preenchimento de vazios e juntas de alvenaria industrial.

Além da participação ativa da RCO na personalização dos silos, o Consórcio Linha 4 Sul também contou com o valor competitivo dos equipamentos e o bom atendimento do suporte comercial e da área de pós-venda da RCO.

Leonardo Cavalcante, Coordenador Comercial da RCO, destaca que a tecnologia de silo horizontal fabricado pela empresa incorpora know how europeu e, diferente de outros modelos comercializados no mercado brasileiro, não apresenta problemas para realizar a descarga de materiais. O silo horizontal, segundo ele, é uma alternativa valiosa para as plantas que têm limitação de altura e, portanto, não podem adotar silos verticais, caso da Linha 4 do Metrô carioca. Disponível em modelos de 47 a 150 toneladas de capacidade de armazenamento, o equipamento é indicado para armazenagem de cimento, cal, areia, bentonita, sílicas e diversos outros tipos de materiais em pó.

“Eles podem ser utilizados em conjunto com centrais de concreto, ou aplicados isoladamente, no processo produtivo do cliente”, explica Cavalcante. O especialista lembra que a eficiência do equipamento é garantida pelo sistema de extração de material exclusivo da RCO, onde o processo é realizado através de rosca transportadora tipo calha. Essa tecnologia oferece escoamento perfeito do material devido ao contato que ele tem com a rosca transportadora ao longo de todo o percurso do helicoide (hélice), presente na parte inferior do silo.

Além disso, o design diferenciado do silo horizontal da RCO facilita o escoamento do material para a rosca transportadora e isso supre o efeito da gravidade, que dá a eficiência dos silos verticais. “A mobilidade é a principal vantagem desse equipamento e ela existe porque as ligações elétricas e pneumáticas são feitas na nossa fábrica, permitindo que o silo siga pronto para a montagem no destino”, explica Cavalcante.

Sobre a Linha 4 do Metrô

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca—Ipanema) é uma obra do Governo do Estado do Rio de Janeiro e vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. A Linha 4 do Metrô entrará em operação no primeiro semestre de 2016, após passar por uma fase de testes. Será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos. Os usuários poderão ainda deslocar-se da Barra da Tijuca até a Pavuna, pagando apenas uma tarifa.

Sobre o acidente com silo na obra de Belo Monte

A RCO solidariza-se com as famílias das vítimas do acidente ocorrido no último dia 30 no canteiro de obras de Belo Monte.

Apesar de não estarmos envolvidos com o incidente, acreditamos que a condução da investigação – pelo consórcio construtor da obra – será elucidativo para aperfeiçoar o mercado como um todo.

Diretoria RCO