Bloco de concreto consegue redução de ICMS no Paraná

Desde 1º de janeiro de 2016, os principais fabricantes paranaenses de blocos de concreto estão sofrendo menos o impacto do ICMS sobre suas vendas. O decreto 3.121, assinado dia 22 de dezembro de 2015 pelo governador Beto Richa, reduziu a base de cálculo para operações de venda de 18% para 12%. A medida é vista pelo setor como a chance de voltar a competir no mercado. “Em abril do ano passado, quando o ICMS subiu de 12% para 18% para nossos produtos, não tínhamos como repassar isso para o preço e acumulamos prejuízo. Agora, esperamos competir com os pequenos fabricantes que recolhem ICMS menor por serem cadastrados no Simples Nacional”, diz Jorge T. Gai, diretor da Gai Blocos de Concreto Ltda.

Para o fabricante, a redução do ICMS torna o cenário para 2016 mais positivo. “Podemos encarar o ano com alguma perspectiva de recuperação do mercado”, estima o empresário. Outro impulso para o setor, também embutido no decreto 3.121, foi a decisão de criar paridade fiscal entre o bloco de concreto e o tijolo cerâmico, que antes tinha uma base de cálculo de ICMS de 7% e, com a nova lei, subiu para 12%. “Por causa desse tratamento tributário desigual perdemos inúmeras obras. Vários projetos que previam o uso de bloco de concreto foram alterados para bloco cerâmico. Agora, com esta isonomia, teremos fôlego para retomar projetos de bloco de concreto”, afirma Jorge T. Gai.

Fonte: Massa Cinzenta

Sorocaba tem o primeiro pavimento intertravado

A Prefeitura Municipal de Sorocaba (SP), a ABCP e a empresa Dibloco desenvolveram o primeiro pavimento intertravado “não trepidante”. O piso foi instalado no Jardim Sensorial de Sorocaba, inaugurado na sexta-feira, 11 de dezembro de 2015.

O pavimento possui peças no formato 20 x 20 cm, porém diferenciadas por não terem os chanfros das extremidades superiores. A ideia foi tão bem aceita que deve ser multiplicada nos programas de acessibilidade das cidades da região. O prefeito de Sorocaba, Antonio Carlos Panunzio, já anunciou que irá adotar a solução também em ciclovias da cidade.


Fonte: ABCP

Museu do Amanhã assenta ciência sobre o concreto

Inaugurado dia 17 de dezembro de 2015, o Museu do Amanhã é a obra icônica de uma área revitalizada na cidade do Rio de Janeiro para os jogos olímpicos. Com seu acervo voltado para retratar a ciência, o museu está assentado sobre uma esplanada de concreto, defronte para a Baía da Guanabara. O projeto foi concebido pelo arquiteto e engenheiro espanhol Santiago Calatrava. A construção envolve estruturas de aço, concreto, alvenaria convencional e até drywall. A modelagem contou com a tecnologia BIM e, como no Brasil não existem normas técnicas específicas para o tratamento acústico de museus, o empreendimento precisou usar a norma australiana AS 2107:2000. Na obra, foram empregados 22 mil m³ de concreto armado.

Com certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), a edificação persegue conceitos de sustentabilidade até então inéditos no Brasil. A cobertura, com telhas aladas, não tem apenas função estética. Cada uma das 48 peças fabricadas em Portugal está conectada a um mecanismo que permite que elas se movimentem de acordo com o posicionamento do sol. Equipadas com 5.492 placas fotovoltaicas, as telhas de aço captam a luz solar para transformá-la em energia elétrica. Já o espelho d´agua que envolve o museu interage com o sistema de climatização do prédio. Ele capta a água da Baía da Guanabara, despolui uma parte – devolvendo-a ao mar – e armazena outra para usar na refrigeração do prédio. A economia estimada com esse processo é de 9,6 milhões de litros de água por ano.

Fonte: Massa Cinzenta 

RCO aproveita câmbio favorável para ampliar presença na Bolívia

Empresa amplia vendas para a construtora boliviana Comercio Y Construcciones HJVA, que já tinha comprado uma central dosadora CDR 30 RS e, agora, adquiriu o Sistema de Descarregamento de Big Bag, com balança, da marca brasileira

Localizada em Puerto Quijaro, no Departamento de Santa Cruz, a construtora HJVA acaba de complementar a compra da central dosadora CDR-30 RS, feita no meio do ano. Agora, a empresa, adquiriu um Sistema de Descarregamento de Big Bag com balança para ser adicionado ao equipamento vendido anteriormente. “O relacionamento começou com uma consulta pela internet e avançou para uma parceria maior”, explica Henry Arza, diretor da Comercio Y Constucciones HJVA.

De acordo com Arza, depois de utilizar a CDR-30 RS, a compra do Sistema de Descarregamento de Big Bag com balança foi facilitada. “Escolhemos a RCO novamente por conta da relação custo e benefício”, explica. “Além disso, percebemos que a tecnologia aplicada da fabricante é ótima, o que reflete na montagem, operação e manutenção”, completa. O executivo salienta que novos negócios devem ser fechados entre a construtora boliviana e a RCO nos próximos anos.

CDR 30 RS

Segundo Carlos Donizetti Oliveira, a negociação confirma o investimento que a empresa brasileira está fazendo na ampliação da marca para os países vizinhos. O passo mais destacado até agora é a participação recente – em outubro – da Conexpo Latin America, no Chile. “O câmbio atual, combinado com nossa tecnologia inovadora, torna o portfólio da RCO interessante para clientes da América Latina”, detalha. O executivo lembra, no entanto, que as exportações envolvem uma atenção especial em relação às questões legais e fiscais, principalmente as especificações alfandegárias de cada país.

Arza também destaca o câmbio atual do Real como um facilitador de importações de produtos fabricados no Brasil. “A HJVA continua crescendo e expandindo com incentivo do governo e do estado, em especial nos últimos quatro meses, favorecida pelo cambio monetário”, diz. “Nossa empresa importou vários equipamentos e máquinas do Brasil”, complementa. O executivo destaca que os investimentos feitos em 2015 têm o objetivo de proporcionar um crescimento de 18% à HJVA em 2016. “Nossa intenção é criar unidades em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e expandir nossas instalações no Brasil, nas cidades de Corumbá (MS) e Uberlândia (MG)”, conta. Natã Sachetto, consultor Técnico da RCO que atende a empresa boliviana, destaca que o Sistema de Descarregamento de Big Bag com balança tem como características principais a maior agilidade no processo de produção de concreto; menor desperdício de cimento, uma vez que o sistema possui balança para pesagem; economia em mão de obra e na compra de cimento em Big Bags ao invés de cimento ensacado.

Natã Sachetto, consultor RCO

Já a Central Dosadora CDR-30 RS, também conhecida como “tow-go com rasga-saco”, é considerada uma excelente solução com o melhor custo-benefício para a produção de concreto, operando com uma capacidade nominal de 30 m3 por hora e uma produção de 8m3 de concreto por ciclo. “O projeto da central é modular, o que facilita o transporte e a compra, inclusive por clientes de países vizinhos”, explica Sachetto.

Ainda em relação à logística, o consultor Técnico lembra que a RCO mantém um acompanhamento das regras de cada país e que, geralmente, o transporte rodoviário é a forma mais utilizada na América do Sul. “Há situações que o transporte marítimo também pode ocorrer, dependendo do destino e prazo de entrega”, explica. 

BID lança publicação de apoio a alianças público-privadas

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou a publicação Contribuições Setoriais para Promoção de Alianças Público-Privadas para o Desenvolvimento sintetizando as modalidades de apoio oferecidas por ele a projetos que preveem alianças estre os setores público e privado
Com esse material, o BID estaria reconhecendo o papel das Alianças Público-Privadas (APPDs) como uma alternativa para o aumento dos investimentos em infraestrutura e modernização da atuação governamental na prestação de serviços e também para a superação dos desafios de desenvolvimento da América Latina e do Caribe.
A publicação apresenta a maneira como o BID desenha os programas integrados, combinando assistência técnica, empréstimos e produtos não-financeiros, como estudos, pesquisas e avaliações para apoiar projetos na gestão dos três níveis de governo: federal, estadual e municipal.
Fonte: InfraROI

RCO revê metas, mas emplaca 15% de crescimento em 2015

Estratégia iniciada no ano passado explica resultados positivos em ano difícil para economia brasileira no mercado de construção civil. Para 2016, empresa deve ampliar estratégia de venda no mercado latino-americano

A combinação de crise política e econômica afetou vários segmentos nacionais da construção civil, incluindo os equipamentos móveis – com uma retração de vendas estimada em 57% – e o próprio mercado de fabricação de cimento, que deve fechar o ano com uma queda de 8%. A RCO também reviu sua meta de crescimento de 20% para 15%, um número positivo diante do resultado da economia brasileira. A estimativa reflete várias iniciativas da empresa, incluindo a modernização e ampliação de suas duas unidades em Tambaú, interior de São Paulo, e a implantação do SAD ou Serviço de Atendimento Direcionado, um programa de pós-venda diferenciado.

Carlos Donizetti de Oliveira, diretor da RCO, explica que desde 2014 – quando efetivou um crescimento de 35% – a empresa já vinha se preparando para uma provável desaceleração nesse ano. “Estamos colhendo os frutos de nossa estratégia de mercado, inclusive com o lançamento de produtos adaptados aos pequenos e médios negócios, além da expansão de nossa atuação no comércio dos países vizinhos, principalmente na América do Sul”, argumenta.

No caso das duas plantas industriais, as unidades foram preparadas para comportar um incremento de 35% na capacidade de produção. Com a mudança, setores da empresa foram separados, os espaços para armazenagem de materiais e almoxarifado foram aumentados e o fluxo desses materiais pôde ser melhorado.

Com a casa em ordem, a RCO lançou produtos compactos para um mercado que acredita ser promissor: as pequenas e médias concreteiras. Entre os lançamentos está a central dosadora de concreto móvel Nomad D-20, que apesar de ocupar menos espaço físico, possui capacidade para 20 m³/h e pode substituir centrais dosadoras tradicionais. “Criamos, inclusive, uma campanha chamada ‘Equipamentos Compactos-Grandes Resultados’ para dar voz à nossa nova estratégia”, diz Oliveira.

Com o aumento das vendas, a fabricante também precisou investir na excelência do  atendimento ao cliente e criou o SAD (Serviço de Atendimento Direcionado). Com a adoção do sistema, os técnicos da RCO conseguem identificar preventivamente os problemas que podem ocorrer nos equipamentos utilizados e ensinam os clientes a melhor maneira possível de operar seus produtos. Todo o processo foi ativado a partir da visita em campo a mais de 100 clientes da empresa em todo o Brasil.

O ano também contou com novidades no quesito automação e segurança. A fabricante anunciou que estava distribuindo o único sistema de segurança para silos de armazenagem do setor. A tecnologia, que monitora o excesso de pressão no interior do equipamento, pode ser adotada em silos da própria marca ou de outros fabricantes.

A inovação não ficou restrita ao sistema de segurança.  O Projeto FIT, que é idealizado integralmente pela RCO, propõe ser um modelo de consultoria e modernização de concreteiras. O modelo de serviços do projeto inclui também um roteiro de informações que devem auxiliar o cliente no seu planejamento estratégico e na montagem de plantas para produção de concreto usinado com produtividade máxima mensal de 3.000 m³.

“Em 2016 devemos trabalhar em novas ações para manter nosso ritmo de crescimento”, diz Oliveira. “É desse modo que garantimos qualidade de atendimento e a eficácia do nosso slogan: ‘Inovabilidade Sempre’”, complementa.

Ações da RCO em 2015 geram Moção de Congratulação

A RCO recebeu uma Moção de Congratulação emitida pela Câmara de Vereadores de Tambaú, São Paulo. A iniciativa, encabeçada pelo vereador e presidente da câmara, Luis Fernando Viana Neves, pautou-se pelas estratégias da RCO em manter o ritmo de crescimento em 2015, lançando novos produtos, ampliando espaço fabril e investindo no capital humano. A votação foi unânime entre os vereadores para a aprovação da Moção.

Moção de Congratulação para RCO emitida pela Câmara de Vereadores de Tambaú – SP.

Carlos Oliveira, diretor da RCO, expressa que “a iniciativa da câmara de vereadores é recebida pela empresa com grande orgulho. É, pela segunda vez, um reconhecimento que demonstra que acreditamos na cidade e valorizamos a comunidade que nos acolhe.”

Com a performance empresarial que vem colhendo frutos positivos, a RCO foi pauta para recebimento de Moção de Congratulação pela segunda vez em 2015. Na ocasião anterior a iniciativa da empresa na manutenção de espaço público próximo à sede e construção de ponte para travessia de pedestres motivou os vereadores de Tambaú a aprovarem, também com unanimidade, o reconhecimento à RCO.