Dibasemix invade o mercado de “agroconcreto” com tecnologia da RCO

Um quinto do mercado da empresa de Mutum, região Leste de Minas Gerais, é o segmento de agronegócios, principalmente o de café.

Ronaldo Coutinho é um empreendedor nato. O criador da Dibasemix estudou o potencial mercado de Mutum (MG) e das cidades vizinhas num raio de 80 km. Situada no Leste de Minas Gerais, a cidade tem uma forte atividade de agronegócios, principalmente a produção de café. Uma das principais demandas dos cafeeiros é ter uma área plana e bem organizada para a secagem dos grãos. Pronto. Sem concorrentes no local, Coutinho criou o mercado do “agroconcreto”, que hoje responde por 20% da produção da empresa.

“Meus clientes são pequenos construtores, ou seja, uma clientela que passa ao largo do interesse das grandes concreteiras”, resume o empreendedor. Mesmo quando atendidos por elas, esse tipo de cliente enfrenta problemas de logística devido à distância entre as obras e os fornecedores de concreto, de acordo com ele.

Embora pulverizado, o número de pequenos construtores era grande em termos de volume. Pelo menos para Coutinho, que já chegou a produzir a média de 100 m³ de concreto por dia.  Com a CDR-40, central dosadora da RCO, ele automatizou a produção antes pouco mecanizada e que consistia no conjunto de caminhão betoneira e bomba de concreto.

A experiência de ter atuado na venda de materiais de construção permitiu que Coutinho ampliasse o atendimento aos pequenos construtores, identificando demandas que superam os de agronegócios, incluindo o assentamento de lajes em construção de pequeno e médio porte, entre outros. Com a compra da CDR-40 já em 2014, a empresa garantiu a demanda crescente.

“O equipamento tem capacidade de produção de 40m³/hora o que, a meu ver, é ideal para os pedidos que recebemos por aqui. Se tivéssemos escolhido uma central menor, provavelmente não conseguiríamos atender todas os serviços”, avalia Coutinho.

Alex Nogueira, Consultor de Vendas da RCO, ressalta que as centrais da fabricante se destacam por sua robustez e pela qualidade dos componentes incorporados ao equipamento, proporcionando eficiência e baixo nível de manutenção ao cliente. O portfólio da empresa reúne modelos de Usinas de Concreto que atendem obras de pequeno à grande porte, com produção de 20 a 120 m³/h. “Especificamente neste projeto, apresentamos os modelos disponíveis e, em conjunto com a Dibasemix, chegamos à conclusão de que a CDR-40 seria a opção ideal para garantir o sucesso do cliente”, finaliza Nogueira.

Concretto Engenharia opera central com capacidade máxima

Instalada há pouco mais de um ano, a CDR-40, fabricada pela RCO, faz parte dos investimentos de expansão da empresa mato-grossense e deve ser empregada na diversificação de produtos da concreteira

Recém-criada, a Concretto Engenharia, empresa especializada na produção de concreto usinado, tem como foco clientes no entorno de Pontes e Lacerda, cidade mato-grossense onde está sua sede. Esse universo inclui empresas do comércio local e do segmento agropecuário e, principalmente, construtoras da região do Vale do Guaporé. Como se trata de um local onde a demanda por concreto usinado é crescente, a expansão dos negócios é um processo natural para a concreteira, que opera a central dosadora CDR-40, da RCO, a plena carga. A máquina faz parte do pacote de investimentos recentes da Concretto, o qual inclui ainda caminhões betoneiras, carretas silo e basculante e caminhão munck.

A aquisição da central foi feita pouco tempo depois da criação da empresa no segundo semestre de 2014. Apesar de operar com capacidade máxima há cerca de um ano e meio, a CDR-40 nunca precisou passar por reparos. “Não tivemos nenhum problema com o equipamento até hoje. A central é robusta e apresenta grande qualidade”, diz Irineu Carlos Turazzi, diretor e presidente da Concretto Engenharia. Ele explica que adquiriu o equipamento por indicação de funcionários da empresa e que o processo de escolha envolveu a visita à RCO e a outros dois concorrentes. “Escolhemos, na época, pelo preço e excelente atendimento. Hoje, recomendo o equipamento também pela qualidade comprovada em campo”.

Atualmente a central dosadora, equipada com um silo e com uma balança de cimento, é utilizada somente para a produção de concreto usinado, realidade que tende a mudar. Segundo Turazzi, existem planos de levar o equipamento para projetos maiores com o objetivo de reduzir custos. “Vamos montar uma indústria de pavers e blocos de concreto. Nossa intenção é utilizar a CDR-40 para fazer o processo de mistura juntamente com as betoneiras, diminuindo o custo na compra de silos”, afirma.

Mantendo o ritmo de crescimento, a Concretto Engenharia está de olho em projetos maiores e mais longes de sua base – mais de 150 km da planta. Novamente, os equipamentos da RCO podem fazer parte da expansão da empresa. “Nossa intenção é adotar centrais móveis para projetos distantes. Os equipamentos da RCO são seguros e eficazes, com um sistema de pós-venda e assistência técnica excelentes”, finaliza Turazzi.

O sucesso da parceria entre as duas empresas, segundo Natã Sachetto, Consultor Técnico de Vendas da RCO, está diretamente ligado ao relacionamento criado durante a venda do equipamento. “O atendimento diferenciado, o domínio técnico e a clareza nas informações na negociação foram fundamentais para a venda”, diz. “Reforçamos ainda mais nossa credibilidade com o cliente quando ele visitou nossa estrutura”, completa.

Sachetto destaca ainda que a CDR-40 tem baixíssimo custo de manutenção devido à qualidade dos componentes e materiais utilizados na fabricação do equipamento. No caso da Concretto Engenharia, a Central Dosadora ganhou um dispositivo adicional: um software de automação. “Com o sistema instalado, o processo de fabricação do concreto acontece de maneira mais ágil e eficiente, minimizando a possibilidade de erros na fabricação”, explica. O controle e rastreamento dos processos de fabricação do concreto também são amplificados com a automatização, uma vez que a CDR-40 passa a emitir relatórios de desempenho.

Forcemix adota central dosadora da RCO em planta no interior de São Paulo

Instalação do equipamento na planta da Forcemix

Baseada no Distrito Industrial de São José do Rio Pardo, interior de São Paulo, a Forcemix começou a atuar em janeiro desse ano. A experiência dos fundadores da companhia, no entanto, supera a média de 30 anos de mercado. Focada no segmento de concretos e microconcretos dosados em central, a empresa oferece uma gama de produtos padronizados, incluindo concretos convencionais, bombeáveis, CAD, CAR, estacas hélice, concretos celulares e pigmentados, além de guias extrusadas. Com esse portfólio diversificado, a Forcemix atende desde pequenas obras até grandes projetos. “Da nossa base, fornecemos serviços num raio de até 60 km a partir de nossa central dosadora”, explica Carlos Alberto Maschietto, engenheiro da empresa.

Dona de uma CDR-40, da RCO, a concreteira utiliza o equipamento para fornecer o concreto pré-misturado aos seus clientes regionais. A máquina também permite a fabricação do microconcreto pré-misturado, opções que são oferecidas com os serviços de bombeamento. Apesar de adquirida em 2014, a central de concreto já era conhecida desde a Concrete Show de 2013, quando os profissionais da Forcemix entraram em contato com a tecnologia da RCO. “A qualidade do equipamento me impressionou na íntegra, pela qualidade, robustez e modernidade dos elementos e pelo alto nível do processo de soldagem, entre outras características”, diz Carlos Alberto. A experiência do profissional também pesou na definição do equipamento. “Estou no ramo de concretagem há trinta anos e já participei da aquisição e instalação de várias unidades”, detalha. “Os equipamentos da RCO mostraram-se muito completos, além de práticos”, complementa.

Tecnologicamente, ele classifica a CDR-40 como “muito moderna”. O empresário, inclusive, acompanhou parte da fabricação e montagem do quadro de comando e ficou impressionado positivamente com a carga tecnológica dos dispositivos implantados. Em termos de serviços, ele avalia que tudo o que foi acordado com a RCO tem sido cumprido à risca, desde os prazos de fabricação e entrega, bem como a montagem. “Fica outro elogio, pois o cronograma firmado entre a Forcemix e a RCO foi cumprido dentro do prazo pré-estabelecido de cinco dias”, argumenta o Engenheiro.

O especialista é um entusiasta do mercado onde atua. “Estou na direção da Forcemix, porque acredito nesse maravilhoso material que vem a ser o concreto. O que tem me deixado muito satisfeito é a evolução dos serviços de concretagem”, explica. “A construção civil no Brasil está saindo do processo artesanal e nosso segmento colabora ativamente para isso”, avalia. Ele credita o avanço da Forcemix também à parceria com a RCO. “Ela está dando um passo importante no processo, investindo em tecnologia, prazos e preços compatíveis com os custos do nosso setor”, comenta.

Maschietto destaca ainda que a Forcemix acredita no mercado onde entrou recentemente, principalmente por combinar a experiência dos profissionais fundadores as ideias inovadoras da equipe de técnicos. Isso, sem perder as o foco nas atividades fim da companhia. “Se dermos início a outros projetos, com certeza vamos utilizar a tecnologia da RCO. Temos um histórico recente, mas se o padrão for mantido, seremos grandes parceiros”, finaliza.

Natã Sachetto, Consultor Técnico de Vendas da RCO, destaca que a CDR-40 é um equipamento robusto, e foi projetada para atender pequenas e médias demandas de concreto com baixo custo de manutenção, o que segundo ele, foi essencial na consolidação do atendimento à Forcemix. “Eles têm experiência em Centrais de Concreto e aliado a isso, os aspectos técnicos, diferenciais de projeto e o processo de fabricação da central foram elementos essenciais na escolha da CDR-40 pela Forcemix”, diz.

Prealto cria nova divisão de negócios e adota central dosadora CDR-40 da RCO

Baseada em Coromandel, cidade mineira da região de Uberlândia, a Pré-moldados Alto Paranaíba (Prealto) tem uma história de crescimento e diversificação. Fundada em 1998, a empresa posicionou-se como um empreendimento para produção de pré-fabricados de concreto, especialmente postes de energia e blocos para construção civil. A primeira mudança aconteceria em 2010, quando a companhia ampliou sua atuação e passou a incorporar os serviços de concretagem. Três anos depois, a Prealto estabeleceu outro desafio: montar uma planta industrial totalmente nova, criando uma divisão para atuar como concreteira, inclusive com marca e CNPJ próprios. Esse terceiro salto da empresa teve como resultado o nascimento da Phivela Concreto.

Com a criação da Phivela Concreto, um dos desafios era substituir a central dosadora tow-go, pois a nova unidade teria não só uma frota independente da empresa-mãe como também sua própria planta industrial. Sediada num imóvel próprio com 10 mil m2 de área em Coromandel, a fábrica engloba um sistema de estocagem de agregados, com baias amplas e seguras. A unidade possui ainda casa de máquinas e de comandos com vidros e ar condicionado. As instalações também foram projetadas com piso concretado liso, poço artesiano e um mecanismo com caixas de decantação e reaproveitamento de água. Ou seja, uma linha de produção nova e alinhada com requisitos de sustentabilidade.

Para funcionar como peça central dessa operação, a Phivela definiu-se pela central dosadora CDR-40, fabricada pela RCO. A aquisição, em 2013, selou a parceria entre as duas empresas. “Escolhemos a CDR 40 porque ela atendia a nossa meta de ampliar o investimento no segmento de concreto”, explica João Ary Gomes, fundador e diretor da Prealto. De acordo com ele, a instalação da central, aliada às novas instalações e equipamentos, trouxe benefícios para todos os segmentos da empresa, agregando maior produtividade, melhor qualidade do produto e mais rapidez na entrega. “O destaque, no entanto, é o menor custo de produção, especialmente pelo sistema de silo de cimento automatizado”, ressalta Gomes. Outro ponto positivo da CDR-40 é a combinação de segurança e maior conforto para os operadores do equipamento. Do lado dos clientes, o diretor avalia que a satisfação observada atualmente deve impulsionar o ingresso de outros compradores.

Sobre o relacionamento com a RCO, Gomes lembra que os equipamentos instalados conseguiram vencer os desafios da rapidez e da qualidade do produto. “Foram diferenciais importantes, ao lado do atendimento”, esclarece. Segundo ele, o processo de aquisição envolveu uma pesquisa com outros fornecedores, seguida por reuniões presenciais com a equipe da RCO, que deslocou até Coromandel e até Itaúna, região de Belo Horizonte, para discussões técnicas. O atendimento focado fez a diferença. “Já havíamos adquirido o conjunto de outra empresa, mas, diante da exposição dos diferenciais do equipamento da RCO, optamos pelo cancelamento do pedido anterior e fechamos a aquisição da CDR 40”, detalha.

O bom relacionamento também deve influenciar, segundo ele as novas fases de ampliação da Phivela Concreto. Os planos incluem a aquisição de uma central móvel ou, dependendo dos resultados da usina de Coromandel, a montagem de uma planta completa em outra cidade. “Com certeza, a RCO será chamada para apresentar sua proposta no momento de avaliação dos novos investimentos”, finaliza Gomes.

O consultor de Vendas, Alex Nogueira responsável pelo atendimento à Phivela Concreto reforça que o atendimento diferenciado, aliada ao domínio técnico da solução RCO, agrega credibilidade e transmite a segurança no momento da compra “Acreditamos que o atendimento e clareza nas informações e os grandes diferencias das centrais de concreto RCO foram fundamentais para que o sr. Gomes nos desse o voto de confiança. Temos orgulho de ver uma planta muito bem montada e organizada”, diz ele.

Nogueira lembra que a CDR-40 é um equipamento versátil, de fácil montagem e operação e que se encaixa perfeitamente em obras de pequeno e médio porte, com produção de 40 m³/h reais. A central pode ainda ter sua produção ampliada para 60 m³/h com a aquisição de um conjunto de equipamentos e software para automação total da CDR-40, possibilitando a emissão de relatórios diários de produção e controle de estoque dos agregados e cimento. O consultor de Vendas destaca também que a CDR-40 possui o melhor custo/benefício para as empresas que apresentam planos de ingressar no segmento. Isso se deve ao custo acessível do equipamento e à produção razoável de concreto, além dos benefícios de se ter um silo de estocagem de cimento que reduz a mão de obra, elimina poeira e o desperdício dessa matéria prima.

Central da RCO protagoniza em comercial da Macro Concreto

A central de concreto CDR-40 da RCO marcou presença em uma propaganda elaborada pela sua parceira Macro, empresa distribuidora de materiais para construção, localizada em Ituitaba (MG). A propaganda, que foi divulgada na internet e já tem mais de 200 visualizações, aborda a importância e utilidade do concreto usinado para o Estado de Minas Gerais.

A Central dosadora CDR-40, com capacidade de produção de 40 metros cúbicos de concreto por hora, opera na nova filial da Macro, recém-instalada no Distrito Industrial Afonso Cancella. A empresa foi a primeira a receber o terreno no novo espaço industrial de Ituitaba e está investindo cerca de R$ 1,5 milhão na operação.

Assista ao vídeo na íntegra através do link http://www.youtube.com/watch?v=CavYt_8J0qE

Welmix mede resultados de central de concreto da RCO em Uberlândia

A Welmix Concreto, empresa sediada em Uberlândia (MG), adquiriu sua primeira central de concreto, uma CDR-40 da RCO, para atender à crescente gama de clientes na cidade. O equipamento integra a frota da empresa desde setembro de 2013, trabalhando com uma produção de 40 m³/h. A central de concreto está equipada com silo de cimento de 100 toneladas de capacidade.
De acordo com o Gerente de Produção da Welmix Concreto, Cassiano Silveira, o equipamento atendeu a todos os requisitos necessários e já produziu mais de 10 mil m³ de concreto desde que foi instalado. “Estamos satisfeitos com o produto e pronto-atendimento da RCO para ajustes e acompanhamento, garantindo a qualidade que pudemos ver durante a Concrete Show 2013, onde a usina estava exposta”, afirma.
As pequenas e médias demandas para construir moradias representam quase a totalidade dos negócios da Welmix, que atende estritamente à cidade de Uberlândia. Para Silveira, além de ser um mercado de bom faturamento, as pequenas encomendas pulverizam o negócio, permitindo que a Welmix faça cerca de 15 entregas por dia. “Atendemos essa demanda com quatro caminhões betoneira que temos disponíveis na frota”, diz Silveira. “O atendimento pulverizado, para nós, é mais rentável do que o atendimento a grandes obras”, completa.
Segundo o especialista, o negócio cresce bastante desde 2010, quando foi inaugurada a empresa, em parceria com a Welmix Areia e Brita. “Começamos com esse nicho depois que a empresa identificou o crescimento de demanda por concreto na cidade mineira, algo decorrente da expansão urbana”, diz. “Houve um grande desafio para começarmos, principalmente no que tange atender aos clientes nos prazos e horários de entrega. Isso nos mostrou que, mesmo no nosso caso, com conhecimento no mercado de areia e brita, o trabalho com concreto é totalmente diferente e requer especialização”, conclui.

 

Centrais de concreto RCO registram alta produtividade

No Comperj, a central de concreto RCO, projetada para produzir nominalmente 80 m3/h, atingiu a marca de 88 m3/h.

“As centrais dosadoras de concreto RCO, modelos CDR 80 e CDR 40, vêm registrando altos índices de produtividade, que vão além das respectivas especificações nominais, segundo a empresa fabricante. Elas são projetadas visando robustez e qualidade técnica com o uso de materiais com qualidade e durabilidade. 

Na obra da nova fábrica da Votorantim em Rio Branco do Sul (PR), a RCO instalou a central dosadora CDR 40. Com um índice nominal de produção de concreto em 40 m3/h, técnicos da RCO e operadores do equipamento registraram uma produtividade além do esperado. Conforme aferição, a CDR 40 vem produzindo, em um período de uma hora, 7 cargas de 8 m3 de concreto, o que equivale a 56 m3/h, o que implica produção 40% maior do que o índice nominal do equipamento. Além disso, a central opera sem interrupção, registrando situações de trabalho contínuo de 18 dias e noites sem apresentar paradas. 

Em outro canteiro de obras, o do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), a central de concreto do modelo CDR 80 opera desde agosto de 2012. Projetada para produzir nominalmente 80 m3/h de concreto, operadores do equipamento em campo notaram que nos primeiros dias de operação a central já atingiu a marca de 11 cargas de 8 m3/h, totalizando 88 m3/h. A empresa destaca que os índices de produtividade atingidos “não prejudicaram em nenhum momento a qualidade do traço”.”

Fonte: Revista O Empreiteiro

Dosadora CDR-40 em nova planta da Votoratim

A Votorantim mantem, até 2013, um programa de investimentos e expansão na ordem de R$ 5 bilhões. Dentro deste programa, inclui-se uma nova fábrica de cimentos na cidade de Edealina, Goiás, a terceira no estado, onde as fases iniciais da obra já se iniciaram.

O obra, através da Engemix, cliente RCO, conta com uma Dosadora de Concreto RCO CDR-40 que já está montada no canteiro de obras e pronta para operação.

A nova fábrica armazenará dois milhões de toneladas de material e abastecerá o mercado goiano, Triângulo Mineiro e regiões Norte e Nordeste do estado de São Paulo. Segundo diretor de finanças da Votorantim Cimentos, Sidney Catania, a construção gerará 1.200 empregos diretos e, após conclusão, gerará aproximadamente 600 empregos diretos.

A escolha de Edealina como cidade para construção da nova fábrica tem por motivo a proximidade com uma mina de calcário, matéria-prima para produção de cimento.  O poder público local e estadual acredita que a fábrica trará um desenvolvimento econômico e social significativos para a região.

Veja mais detalhes da Dosadora RCO RTG-40.

Dosadora RCO CDR-40: nova fábrica da Votorantim trará desenvolvimento à Edealina-GO.

Dosadora CDR-40 RCO é exibida durante programa JOGO ABERTO

O programa Jogo Aberto, da Rede Bandeirante de Televisão, exibiu uma reportagem que abordava a escolha de Recife, Pernambuco, como uma das sedes para a Copa das Confederações. A cidade também sediará jogos da Copa 2014.

Portanto, para a realização destes eventos, está em andamento a construção a Arena Pernambuco, local onde está instalada uma Dosadora de Concreto CDR-40, já abordado em post anterior (acesse).

Durante a reportagem sobre a construção do estádio e sua evolução até à conclusão total, a CDR-40 foi exibida em alguns momentos.

Confira!

Arena Corinthians recebe equipamento RCO

Arena Corinthians, uma das obras para a Copa 2014 (em Janeiro/2012) – Fonte: odebrechtnacopa.com.br

Considerada uma das importantes obras para a realização da Copa 2014 no Brasil, o estádio do Corinthians, ou Itaquerão ou Fielzão, localizado na região de Itaquera em São Paulo, conta com equipamento RCO que já está em operação desde o final de 2011.

A Odebrecht, cliente RCO, é responsável por toda construção do projeto que, com um valor aproximado de R$ 820 milhões, terá um quadro de funcionários em torno de 2.000 trabalhadores na fase de pico da construção. Contará com uma capacidade para 48.000 assentos, sendo 20.000 removíveis como exigência da Copa, totalizando 68.000 assentos. Para a Arena Corinthians a Odebrecht contou com o equipamento Central Dosadora CDR 40 que é responsável por dosar os componentes para a mistura de concreto.

O aguardado estádio do Corinthians é um ideal de longa data do time paulista de futebol e que agora se concretiza para integrar o grande evento de 2014, a Copa do Mundo de Futebol.

Central Dosadora RCO CDR 40 na Arena Corinthians, à direita, com silo e caixão alimentador. Fonte: Folha.com