Construtora economiza 30% na compra de concreto em obra no Maranhão

Canopus montou operação compacta, com central dosadora da RCO e caminhões betoneiras, aliado ao método de paredes de concreto. Projeto de residencial envolve a ativação de mais de 1,4 mil habitações no prazo de 20 meses

Depois de 40 anos de atividade e mais de 2 milhões de metros construídos, a construtora maranhense Canopus sabe como usar a experiência a seu favor. A empresa, que já construiu de shopping centers a postos de gasolina, entrou no programa Minha Casa, Minha Vida há sete anos. Só nesse segmento, ela entregou um volume superior a 15 mil casas.

No ano passado, ao assinar o contrato para a obra do Residencial Morada do Sol, na capital São Luiz, a construtora – que possui também uma divisão de pré-fabricados – resolveu pensar diferente e adotar novas tecnologias. O resultado? Uma redução média de 30% no custo do concreto.

Para atingir a redução, a Canopus combinou a adoção do método de parede de concreto na construção das casas, substituindo a alvenaria tradicional. Para atender o cronograma apertado de entrega de 1414 habitações – de abril do ano passado a dezembro desse ano – a empresa percebeu que o fornecimento das concreteiras regionais não daria conta no volume e no prazo que ela precisava.

Nomad D-30 instalada na planta da Canopus Construções

Ao mesmo tempo, a empresa detém uma divisão de pré-fabricados que poderia ganhar com a automação maior de suas atividades. Juntando as duas informações, a construtora resolveu montar uma planta de concretagem compacta, formada pela central dosadora Nomad D-30, fabricada pela RCO, e por dois caminhões betoneira. Flexível, a central será transportada e remontada na unidade de pré-fabricados de concreto da Canopus assim que o Residencial for entregue.

 

“Percebemos que a nova forma de trabalhar poderia ser uma oportunidade para a redução de custos, pois precisamos de agilidade na concretagem”, explica o diretor de Engenharia da Canopus, Brenno Santiago. Segundo ele, a implementação tem sido um sucesso e tornou-se crucial para a finalização do condomínio.

Anderson Farias, gerente de obras da Canopus, complementa a informação de Santiago, ao avaliar os ganhos. “Temos uma demanda de aproximadamente 200 m³ de concreto por dia. Não poderíamos deixar de concretar, pois o prejuízo seria de cerca de 8 mil reais diários e isso sem contar outros fatores, como mão de obra parada”, diz.

Com a ativação da própria planta, a Canopus deixou de adquirir concreto de fornecedores da região, evitando desperdício de produto, inclusive com as etapas de carregamento e descarregamento dos caminhões. Os ganhos incluem maior qualidade, pois a central permite a padronização maior do concreto produzido. Outra redução foi a de mão de obra, estimada em 20%. “Mais do que isso, seguimos o plano estratégico da empresa, com a meta de transferir a central dosadora para a unidade de pré-fabricados onde ficará fixa e atenderá nossas obras”, argumenta Brenno Santiago.

O planejamento da construção também melhorou. Os dois caminhões adquiridos, com capacidade para 8 m³ cada, são abastecidos diariamente com a produção da Nomad D-30. “A central dosadora móvel foi uma escolha acertada, estudamos os modelos de centrais e essa foi a adequada para o nosso volume. Esse fator nos deixou muito satisfeitos”, detalha Farias.

Alex Nogueira, consultor de vendas da RCO, explica que o processo de escolha do equipamento para as necessidades da Canopus é o resultado da atenção voltada ao cliente. “Em nosso primeiro contato, conseguimos captar qual era a demanda da Canopus e vimos que a central dosadora Nomad D-30 se encaixaria perfeitamente”, diz. “Ela é prática, possui uma capacidade de produção interessante e a característica da mobilidade”, complementa o consultor. Ele também destaca que a instalação do equipamento é feita em um dia, o que agiliza o início das operações.

Brenno Santiago, diretor de Engenharia da Canopus, conta que a intenção é adquirir um silo de armazenagem ainda no primeiro trimestre de 2016 para complementar as operações da construtora. De acordo com ele, as perspectivas da empresa são de crescimento. “Com toda a crise que o mercado está passando, temos que buscar alternativas de redução de custo nas nossas operações, além da agilidade e garantia dos nossos processos”, finaliza.

Concretto Engenharia opera central com capacidade máxima

Instalada há pouco mais de um ano, a CDR-40, fabricada pela RCO, faz parte dos investimentos de expansão da empresa mato-grossense e deve ser empregada na diversificação de produtos da concreteira

Recém-criada, a Concretto Engenharia, empresa especializada na produção de concreto usinado, tem como foco clientes no entorno de Pontes e Lacerda, cidade mato-grossense onde está sua sede. Esse universo inclui empresas do comércio local e do segmento agropecuário e, principalmente, construtoras da região do Vale do Guaporé. Como se trata de um local onde a demanda por concreto usinado é crescente, a expansão dos negócios é um processo natural para a concreteira, que opera a central dosadora CDR-40, da RCO, a plena carga. A máquina faz parte do pacote de investimentos recentes da Concretto, o qual inclui ainda caminhões betoneiras, carretas silo e basculante e caminhão munck.

A aquisição da central foi feita pouco tempo depois da criação da empresa no segundo semestre de 2014. Apesar de operar com capacidade máxima há cerca de um ano e meio, a CDR-40 nunca precisou passar por reparos. “Não tivemos nenhum problema com o equipamento até hoje. A central é robusta e apresenta grande qualidade”, diz Irineu Carlos Turazzi, diretor e presidente da Concretto Engenharia. Ele explica que adquiriu o equipamento por indicação de funcionários da empresa e que o processo de escolha envolveu a visita à RCO e a outros dois concorrentes. “Escolhemos, na época, pelo preço e excelente atendimento. Hoje, recomendo o equipamento também pela qualidade comprovada em campo”.

Atualmente a central dosadora, equipada com um silo e com uma balança de cimento, é utilizada somente para a produção de concreto usinado, realidade que tende a mudar. Segundo Turazzi, existem planos de levar o equipamento para projetos maiores com o objetivo de reduzir custos. “Vamos montar uma indústria de pavers e blocos de concreto. Nossa intenção é utilizar a CDR-40 para fazer o processo de mistura juntamente com as betoneiras, diminuindo o custo na compra de silos”, afirma.

Mantendo o ritmo de crescimento, a Concretto Engenharia está de olho em projetos maiores e mais longes de sua base – mais de 150 km da planta. Novamente, os equipamentos da RCO podem fazer parte da expansão da empresa. “Nossa intenção é adotar centrais móveis para projetos distantes. Os equipamentos da RCO são seguros e eficazes, com um sistema de pós-venda e assistência técnica excelentes”, finaliza Turazzi.

O sucesso da parceria entre as duas empresas, segundo Natã Sachetto, Consultor Técnico de Vendas da RCO, está diretamente ligado ao relacionamento criado durante a venda do equipamento. “O atendimento diferenciado, o domínio técnico e a clareza nas informações na negociação foram fundamentais para a venda”, diz. “Reforçamos ainda mais nossa credibilidade com o cliente quando ele visitou nossa estrutura”, completa.

Sachetto destaca ainda que a CDR-40 tem baixíssimo custo de manutenção devido à qualidade dos componentes e materiais utilizados na fabricação do equipamento. No caso da Concretto Engenharia, a Central Dosadora ganhou um dispositivo adicional: um software de automação. “Com o sistema instalado, o processo de fabricação do concreto acontece de maneira mais ágil e eficiente, minimizando a possibilidade de erros na fabricação”, explica. O controle e rastreamento dos processos de fabricação do concreto também são amplificados com a automatização, uma vez que a CDR-40 passa a emitir relatórios de desempenho.

RCO na Concrete Show 2013

Lançamento de novo modelo em central de concreto e com grande visibilidade é a proposta da RCO para a participação na Concrete Show 2013.

A RCO confirma orgulhosamente sua participação na próxima edição da Concrete Show 2013. O evento anual, organizado pela UBM Siena, é realizado em diversos locais no mundo e, neste ano, atingirá a 7ª edição.

Realizada no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, a feira Concrete Show envolve toda a cadeia produtiva do concreto desde fabricantes de concreto, equipamentos, artigos pré-moldados, compostos químicos até serviços e consultoria na área.

A RCO contará com um expressivo stand na área externa, logo na entrada principal, com 330 m². Soluções em Centrais de concreto estarão expostas dentre elas o grande lançamento: Central Dosadora Móvel. Além deste equipamento estará exposta uma Central Dosadora CDR-80 completa, o mesmo equipamento que já registrou recordes de produtividade.

A organização da feira espera um público aproximado de 30 mil pessoas a visitar 580 marcas em exposição em 62.500 metros quadrados de área expositora.

Visite a RCO no stand E255 (área externa). Veja aqui a planta do evento.

Cadastre-se aqui antecipadamente e evite filas na entrada!

Central Dosadora CDR 80 RCO estará exposta em stand da empresa na Concrete Show. Além deste equipamento, haverá o lançamento da novidade de Central de concreto Móvel.

Obras no Aeroporto de Viracopos contam com central dosadora CDR 80

RCO Central Dosadora CDR 80

A eficiente Central Dosadora de Concreto modelo CDR 80 da RCO já opera no canteiro de obras do Aeroporto de Viracopos, na cidade de  Campinas-SP.

O equipamento, cujo índices de produtividade ultrapassaram a cota nominal de 80 m³/h (veja cases aqui), atenderá o projeto de ampliação do aeroporto onde inclui diversas melhorias e inovações como: 28 pontos de embarque, 7 novas estações remotas, estacionamento com 4.000 vagas, ampliação de pista de manobras, 35 novas vagas para aeronaves, etc. Isso tudo em 145.000 m² de área. Além disso, o projeto é formatado com possibilidade de expansão vertical para acomodação de hotéis e escritórios comerciais futuros.

A ampliação do Aeroporto de Viracopos, que prevê atender 14 milhões de passageiros ao ano, se enquadra no planejamento de melhoria e expansão de importantes infra-estruturas do país que atenderão os eventos mundiais (Copa e Olimpíadas) e também o crescente aumento de brasileiros que utilizam vôos comerciais para viagens nacionais e internacionais. A obra será entregue em maio de 2014.

Conheça mais a Central Dosadora CDR 80

Com informações em: viracopos.com/novoterminal

Projeção do novo terminal do Aeroporto de Viracopos: ampliação e melhorias para atendimento de público crescente. Fonte: viracopos.com/novo-terminal

Dosadora CDR-40 em nova planta da Votoratim

A Votorantim mantem, até 2013, um programa de investimentos e expansão na ordem de R$ 5 bilhões. Dentro deste programa, inclui-se uma nova fábrica de cimentos na cidade de Edealina, Goiás, a terceira no estado, onde as fases iniciais da obra já se iniciaram.

O obra, através da Engemix, cliente RCO, conta com uma Dosadora de Concreto RCO CDR-40 que já está montada no canteiro de obras e pronta para operação.

A nova fábrica armazenará dois milhões de toneladas de material e abastecerá o mercado goiano, Triângulo Mineiro e regiões Norte e Nordeste do estado de São Paulo. Segundo diretor de finanças da Votorantim Cimentos, Sidney Catania, a construção gerará 1.200 empregos diretos e, após conclusão, gerará aproximadamente 600 empregos diretos.

A escolha de Edealina como cidade para construção da nova fábrica tem por motivo a proximidade com uma mina de calcário, matéria-prima para produção de cimento.  O poder público local e estadual acredita que a fábrica trará um desenvolvimento econômico e social significativos para a região.

Veja mais detalhes da Dosadora RCO RTG-40.

Dosadora RCO CDR-40: nova fábrica da Votorantim trará desenvolvimento à Edealina-GO.

Arena Corinthians recebe equipamento RCO

Arena Corinthians, uma das obras para a Copa 2014 (em Janeiro/2012) – Fonte: odebrechtnacopa.com.br

Considerada uma das importantes obras para a realização da Copa 2014 no Brasil, o estádio do Corinthians, ou Itaquerão ou Fielzão, localizado na região de Itaquera em São Paulo, conta com equipamento RCO que já está em operação desde o final de 2011.

A Odebrecht, cliente RCO, é responsável por toda construção do projeto que, com um valor aproximado de R$ 820 milhões, terá um quadro de funcionários em torno de 2.000 trabalhadores na fase de pico da construção. Contará com uma capacidade para 48.000 assentos, sendo 20.000 removíveis como exigência da Copa, totalizando 68.000 assentos. Para a Arena Corinthians a Odebrecht contou com o equipamento Central Dosadora CDR 40 que é responsável por dosar os componentes para a mistura de concreto.

O aguardado estádio do Corinthians é um ideal de longa data do time paulista de futebol e que agora se concretiza para integrar o grande evento de 2014, a Copa do Mundo de Futebol.

Central Dosadora RCO CDR 40 na Arena Corinthians, à direita, com silo e caixão alimentador. Fonte: Folha.com