1000 dias sem acidentes é um novo recorde para a RCO

Em setembro de 2015, o Ministério do Trabalho emitiu um levantamento que abordava a ocorrência de acidentes envolvendo máquinas e equipamentos no Brasil. Segundo o ministério, entre 2011 e 2013, uma média de 12 trabalhadores por dia sofreram amputação decorrentes de acidentes, totalizando 221.843 acidentes no período sendo 13.724 amputados e 601 óbitos. As fraturas obtiveram índices de 270 ocorrências por semana.

Considerando esse cenário preocupante do índice de acidentes, a RCO surpreende e atinge, no ínicio de Agosto de 2016, o índice recorde de 1.000 dias sem registros de acidentes com afastamento. É uma marca inédita e muita satisfatória considerando o segmento produtivo metalúrgico. Os riscos envolvendo os processos produtivos em metal-mecânica variam desde manipulação de produtos químicos, abrasivos ou incandescentes passando por atividades em altura, manipulação de peças cortantes, de grande volume e peso. Sem dúvida, são riscos sérios e que, sem devida atenção, atentam profudamente contra o bem-estar e a vida humana.

A obtenção do índice de 1000 dias, ou quase 3 anos, é histórica. Nos 25 anos de fundação da
RCO, completados em 2016, a conquista ultrapassou, e muito, o recorde anterior que era de 477 dias.
Obviamente, a gestão envolvida nesse processo foi significativa. “O técnico de segurança efetivo
contribui para que os setores da RCO percebam os procedimentos envolvidos em segurança. O
parceiro Laborseg, responsável pela manutenção de ações envolvendo segurança e bem-estar
do funcionário também foi significativo para a ocorrência os 1000 dias.” pondera Celso
Carvalho, gestor de pessoas da empresa.

Comemoração: a importância de reforçar que o resultado é positivo.

A mudança de cultura neste interím de 1000 dias deve também ser levada em consideração. Segundo Carvalho, há em voga na RCO uma consciência coletiva de que o maior patrimômio que um funcionário possui é a sua própria vida e seu bem-estar físico. “Essa cultura se disseminou com a comunicação das placas de uso de EPI´s (equipamentos de segurança individual) e com o reforço das reuniões periódicas envolvendo uso correto dos mesmos e do maquinário produtivo”, completa.

Funcionários RCO: nenhuma gestão é válida sem a atenção para o bem-estar e segurança.

O desafio agora é a continuação e a manutenção dos índices. Com o recente aumento no quadro de funcionários em julho, que passou para o número de150, as orientações para o trabalho seguro se ampliam. “Ao cuidar de pessoas é preciso empatia e ir além daquilo que a legislação determina. Considero isso como o diferencial em nossa gestão” finaliza Carvalho.

Agora, a olhos vistos, a placa que registra publicamente os dias sem acidentes mantem números que extrapolam o espaço alocado para essa finalidade. Talvez, quem diria, ninguém havia considerado a possibilidade do recorde.

Placa de acidentes: necessário agora mais espaço para índices de 4 dígitos.

Sem registros de acidentes de trabalho há 2 anos, RCO celebra a marca alcançada.

O objetivo é superar o recorde mantendo ativamente departamento de Segurança do Trabalho e CIPA.

Quadro de acidentes: um recorde de 2 anos sem funcionários lesionados

Na última semana de outubro, a RCO celebrou a marca de 2 anos sem registros de acidentes de trabalho, uma conquista muito importante para todos integrantes da empresa. O índice é o equivalente a mais de 730 dias sem paradas no processo produtivo e consequente afastamento de funcionários por conta de lesões graves.

Essa marca reflete a preocupação da RCO em oferecer um local de trabalho totalmente seguro para seus colaboradores. Ao acreditar e investir em um Setor de Segurança e Medicina de Trabalho plenamente ativo e ainda com o apoio dos membros da CIPA, a empresa promove  constantemente treinamentos visando a conscientização e apresentação de medidas de prevenção dos riscos existentes no local de trabalho.

Além da conscientização, a Segurança do Trabalho fiscaliza  o uso correto dos EPI’s (equipamentos de proteção individual) e a forma que os colaboradores executam as suas atividades. “Estamos sempre pedindo a atenção máxima dos colaboradores, porque o descuido e a desatenção são os maiores vilões nos acidentes de trabalho e esperamos manter sempre essa orientação para comemorarmos três, quatro, cinco anos sem acidente. Queremos e vamos aumentar esse recorde.” afirma Celso Carvalho, Gestor de Pessoas da RCO.

Para marcar a data, um café da tarde especial foi servido a todos os colaboradores, e em paralelo foi comemorado também os aniversariantes do mês de outubro.

 

RCO investe em segurança do trabalho em suas unidades fabris

Em outubro, a RCO organizou dois treinamentos com foco em segurança de trabalho. O primeiro deles teve como tema a NR11, um regulamento técnico de procedimentos para movimentação, armazenagem e manuseio de materiais. Já o segundo, abordou a NR35, uma norma que estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução.

De acordo com Celso Carvalho, Gestor de Pessoas da RCO, os treinamentos foram oferecidos a 66 colaboradores da companhia que, direta ou indiretamente, trabalham com equipamentos pesados como empilhadeiras ou que desempenhem suas funções em altura – seja na RCO, parceiro ou cliente. “Nosso objetivo é intensificar o preparo desses profissionais, elevando a qualidade do serviço prestado”, explica o executivo. Para ele, os treinamentos também elevam a qualidade do Serviço Ampliado Direcionado (SAD) oferecido pela empresa.

Para Cláudio de Oliveira Junior, que compõe a equipe de produção da RCO, o preparo é fundamental no exercício da profissão. “Essa experiência nos mostrou os riscos do trabalho em altura e acredito que todos deveriam fazer o treinamento”, finaliza.

Treinamento aperfeiçoa segurança do trabalho na RCO

A empresa reuniu seus colaboradores em Mococa (SP) para discutir a norma regulamentadora NR10
A RCO promoveu, no último dia 11 de abril, um encontro entre os colaboradores da área elétrica da empresa, com o objetivo de capacitar a equipe os participantes foram apresentados a conteúdos que incluíam a identificação de riscos em instalações e serviços com eletricidade, identificação de equipamentos de proteção individual e coletiva e capacidade para aplicação de normas e procedimentos de segurança do trabalho e proteção ao meio ambiente. As habilidades de trabalho em equipe, atenção aos detalhes e organização também foram trabalhadas.

Com o treinamento, a RCO mantém sua cultura de segurança, evitando fazer parte das estatísticas do Tribunal Superior do Trabalho (TST), as quais indicam que os acidentes de trabalho registrados no Brasil aumentaram significativamente. Em 2010, o número de casos foi de 709.479, enquanto em 2011, esse total subiu para 711.164. Muitos desses acidentes estão relacionados à eletricidade e a Norma Regulamentadora 10 (NR-10) ajuda a evitar o crescimento dessas estatísticas, uma vez que seu principio parte da ideia de propiciar segurança do trabalho para os colaboradores que, de forma direta ou indireta, mantêm contato com eletricidade no ambiente em que trabalham.