Pneu que seria descartável entra na produção de concreto

Material triturado substitui parte da areia na formulação de concreto sustentável. Projeto da Universidade de Uberaba avança para outras aplicações

Desenvolvido pela Universidade de Uberaba (UniUbe), o concreto sustentável produzido a base de pneu triturado já é uma realidade. O Parque Linear de Uberlândia, cidade mineira vizinha da UniUbe, por exemplo, tem todo o piso de sua ciclovia construído com o material. Três anos após sua inauguração, o concreto sustentável foi testado pela universidade e a resistência e durabilidade da via apresentaram índices satisfatórios para o mercado. Os testes, realizados no Departamento de Engenharia Civil da UniUbe, mostraram que os 15,5 pneus adotados para cada metro cúbico do concreto sustentável garantiram uma resistência de 21,6 MPa à ciclovia do Parque.

Em entrevista à Altair Santos, colunista do portal Itambé, Vanessa Rosa Pereira Fidelis, professora de materiais e tecnologia da construção civil, conta que antes de chegar ao número ideal de pneus para cada metro cúbico de concreto alguns passos precisaram ser percorridos. Em um primeiro momento, os pesquisadores substituíram a areia em quantidades de 50%, 25% e 12,5% de agregado miúdo por borracha triturada. No segundo momento, mediram-se os percentuais de resistência sendo, respectivamente: 4 MPa, 9 MPa e 16 MPa. Tendo esses números em mãos, a equipe de pesquisadores tomou a decisão de acrescentar aditivo químico plastificante à massa, reduzindo a borracha para 9% (15,5 pneus/ m³) e conquistando a resistência de 21,6 MPa.

De acordo com a professora, o concreto produzido tem aplicabilidade direcionada para pisos, já que possui menor resistência à compressão e proporciona redução de impacto. “Verificou-se também que pode ser possível a utilização do material em painéis de vedação, por eles requererem menor resistência à compressão do concreto”, completa Vanessa. Para ela, o próximo passo na conquista de mercado precisa passar pelo barateamento das matérias-primas utilizadas na produção desse material – uma vez que a trituração da borracha tem valor superior ao do agregado miúdo. “Parcerias com empresas de recapagem de pneus, que precisam descartar parte de seus resíduos, podem minimizar o preço”, finaliza.

Com o sucesso do experimento, a Universidade de Uberaba agora segue com novos projetos: adição de resíduo industrial na produção de tijolos solo-cimento, e a produção de concreto não-estrutural, que ao contrário do concreto a base de pneu inservível, ainda estão em fase de testes.

A receita

A produção do concreto sustentável envolve:

240 kg de cimento CP V-ARI

374 kg de areia fina

554 kg de areia grossa

1.015 kg de brita

1,80 kg de borracha

195 litros de água e 0,96 litro de aditivo.

Concreto usinado é aliado da sustentabilidade

Segundo pesquisador da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o avanço de práticas sustentáveis passa pela adoção das usinas de concreto

Desde que a Fundação Dom Cabral publicou os resultados da primeira edição da pesquisa Estágio da Sustentabilidade das Empresas Brasileiras, com dados de 2012, a construção civil virou foco estratégico para que o Brasil alcance melhores índices de sustentabilidade. No documento – que ouviu 172 empresas, sendo 56 do ramo da construção civil – os índices davam conta de que esse setor consumiria até 75% dos recursos naturais e até 44% da energia do país. Desde 2012, novos estudos mantiveram a questão na ordem do dia e o tema sustentabilidade foi inserido definitivamente na agenda dos players desse segmento.

E é o que comprova José de Almendra Freitas Júnior, especialista em concreto e professor do Departamento de Construção Civil, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Para ele, termo sustentável é difícil de definir, mas no caso das misturas de concreto, o enfoque está no uso de agregados artificiais (areia) e na maior durabilidade das estruturas. “Outro ponto sustentável é a utilização de cimentos com grandes quantidades de adições (escórias e cinzas volantes) sempre que possível”, complementa. Ele destaca ainda que as iniciativas de otimização também fazem parte dos projetos de usinas de concreto, principalmente a redução de custos.

Freitas Júnior salienta que a rota das soluções sustentáveis envolve fortemente a adoção do concreto usinado, em volumes cada vez maiores por parte das construtoras, principalmente as que lidam com pequenas obras. “Em projetos médios e grandes, o concreto usinado por centrais dosadoras e com aspectos voltados à sustentabilidade já é largamente utilizado no Brasil”, diz.

Quanto ao agregado artificial, ele avalia que o uso também tende aumentar, devido à indisponibilidade de areia natural nos grandes centros. “Em muitas regiões metropolitanas, a areia artificial já é utilizada em misturas com a areia natural ou até sozinha”, detalha. “Entendemos que, devido ao seu formato anguloso, a areia artificial ainda é de qualidade inferior a natural, requerendo ligeiramente mais água, cimento e aditivos para a produção do concreto”, completa. De acordo com o especialista, para concretos de abatimento comum e resistências abaixo de 40 MPa, a aplicação da areia artificial é bem razoável e pode otimizar custos, por ser um insumo mais barato do que o natural. Já os concretos de alta resistência (CAD ou CAR) e, eventualmente, alguns concretos autoadensáveis, a utilização de areia natural ainda seria melhor e nem sempre é viável o uso de materiais artificiais.

Sistemas construtivos industrializados são aposta para a sustentabilidade

Recurso visa acelerar obras e manter a sustentabilidade frente a crise

Sistemas construtivos industrializados é a proposta da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) e a Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção) para otimizar o dia a dia no canteiro de obras e o desenvolvimento de sistemas sustentáveis frente a crise hídrica e elétrica que passa o país.

Segundo Walter Cover, presidente da Abramat o avanço tecnológico dos produtos industrializados já permite, em alguns casos, construções muito melhores do que as de alvenaria e também incentiva a sustentabilidade. “Os pré-fabricados de concreto, aço, madeira e gesso geram baixíssimos níveis de resíduos no canteiro de obras e também economizam no consumo de água”, afirma Cover.

Além de acelerar o processo das obras, o recurso também incentiva a autonomia do consumidor no processo “faça você mesmo”, Cláudio Elias Conz, presidente da Anamaco reforça a promessa “Nestes tempos de estresse econômico, as pessoas podem querer elas mesmas promover a reforma da casa. Para isso, já existem itens que saem prontos do fabricante para serem instalados. Eles vão desde argamassas prontas até elementos de acabamento”, conclui o presidente.

Nova iluminação reduz consumo de energia elétrica

A nova iluminação do ambiente externo adotada na RCO reduz o consumo de energia elétrica. Os pontos de iluminação são compostos por luminárias que são alimentadas por baterias, onde estas por sua vez, são carregadas com energia solar durante o dia. Além disso, as luminárias acendem automaticamente na ausência de luz ambiente.

Esta é uma ação simples onde não se tem por ideia inicial obter uma redução muito expressiva nas despesas com energia elétrica. Entretanto, tem-se por consciência que o conjunto de pequenas e simples ações de todos, sendo empresas ou pessoas em seus respectivos dia-a-dias, é que promoverá o equilíbrio e a conservação de recursos naturais propostos pelos conceitos de sustentabilidade.

 

Rio+20 discute conjunturas ambientais e socio-econômicas

A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, batizada de Rio+20, marca os 20 anos da Eco-92, a cúpula sobre meio ambiente realizada no Rio de Janeiro em 1992. Faz parte do ciclo de conferências ambientais da ONU, que teve início em 1972, em Estocolmo, Suécia.

A Rio+20 reunirá, mais uma vez, chefes de Estado e de governo e entidades da sociedade civil (ONGs, universidades, institutos) para revisitar os principais temas, protocolos, convenções e recomendações que resultaram da Eco-92. Entre eles estão a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; a Agenda 21; e as convenções-quadro sobre Mudanças Climáticas, Biodiversidade e Combate à Desertificação.

Além dessas questões, que voltam a ser debatidas, dois temas centrais foram selecionados para nortear as discussões na Rio + 20. O principal deles é a transição para a chamada economia verde, que propõe a adoção de um novo sistema produtivo, com base na baixa emissão de gases de efeito estufa, na eficiência no uso dos recursos naturais e na inclusão social.

O segundo tema central é a governança global que levará ao desenvolvimento sustentável, ou seja: como os países vão se organizar, em termos de leis, acordos e protocolos, para colocar esse novo modelo socioeconômico em prática.

Outros assuntos que terão espaço na conferência são: energia; alimentação e agricultura; emprego e inclusão; cidades sustentáveis; água; oceanos e desastres naturais.

É esperado dessa reunião, porém, mais do que um balanço da Eco-92. O resultado final deve ser condensado em um documento de cunho político onde todos os países se comprometam a fazer as transformações necessárias rumo à economia verde.

Fonte: Folha.com - Ambiente

Dia do Bem Fazer 2011 – Camargo Corrêa

O Dia do Bem Fazer é uma ação anual promovida pelas empresas pertencentes ao Grupo Camargo Corrêa como Alpargatas e demais empresas que se alinham à iniciativa do Grupo cuja criação da ação foi em razão da celebração de seus 70 anos. Assim como nos anos anteriores, reuniram-se funcionários das empresas, bem como respectivos familiares e interessados e promoveram uma grande ação social na Escola Estadual Alfredo Bresser, em São Paulo. Este ano a ação foi realizada em 21 de Agosto.

A RCO apóia totalmente a iniciativa uma vez que promove ações que tragam bem-estar e provocam a melhoria em ambientes comunitários. Com isso, a RCO realizou a doação de cobertores para a escola que, junto com as demais doações, promoveram um dia transformador e solidário com uma consciência de cidadania em busca de um mundo mais igualitário.

Mais informações: http://www.diadobemfazer.org.br

Tecsis e a geração de energia renovável

A RCO atendeu a empresa Tecsis Tecnologia e Sistemas Avançados no fornecimento de sistema de transportadores para movimentação de materiais. Destinados à unidade da empresa na cidade de Sorocaba-SP, os transportadores agora integram uma etapa do processo produtivo da empresa que consiste na fabricação de pás para as hélices das turbinas geradoras de energia elétrica, utilizando-se a força dos ventos.

A empresa Tecsis, fundada em 1995 pelo nissei Bento Koike, é atualmente considerada a segunda maior fornecedora mundial de pás para turbinas geradoras. Desde sua fundação é orientada 100% à inovação, tecnologia e conhecimento gerado no Brasil e por brasileiros. A Tecsis faz parte do mercado de energia eólica que movimenta aproximadamente US$ 14 bilhões ao ano, com taxas de crescimento de 28% anuais nos últimos dez anos. Calcula-se que há 85 mil turbinas eólicas em funcionamento em 50 países. (Fonte: Revista Época Negócios).

O Brasil possui parques eólicos em maior expressividade na região Nordeste pelo fato do grande potencial eólico que a região possui.

A geração de energia elétrica usando o vento e ainda o uso de células fotovoltaicas (usando a luz do sol) vem sendo consideradas grandes alternativas para geração de energia sem causar impacto ao meio-ambiente, além de serem fontes completamente renováveis.

Parque Eólico em Osório - RS. Considerado segundo maior parque eólico do mundo, com 75 torres de 98 metros de altura e peso de 810 toneladas cada.

 

Reciclagem de resíduos metálicos

Com o crescente debate e conscientização acerca dos impactos ambientais gerados pela humanidade, antes de qualquer definição ou mesmo regulamentação, é importante sempre se adiantar e contribuir para um futuro melhor causando menos danos ao meio ambiente e, claro, fazendo sempre sua pequena parte.

A RCO mantém em seu processo produtivo e em áreas admistrativas a rotina de coleta seletiva de lixo reciclável. Devido ao seu segmento de atuação, a empresa gera mais resíduos sólidos metálicos como cavacos de usinagem, pequenas sobras de chapas, pó metálicos de serras e soldas, além de fitas metálicas usadas no transporte de chapas e tubos dos fornecedores para a RCO.

Todo essa material metálico é destinado a entrepostos de coleta de material reciclável para destino correto em processos de reciclagem e reaproveitamento.

Desenvolvendo Talentos 2011 – 1a. Fase

1a. fase do programa Desenvolvendo Talentos 2011: treinamento e valorização do ativo humano.

A RCO Maschinenfabrik dá início ao programa Desenvolvendo Talentos 2011. O programa consiste na aplicação de treinamento, desenvolvimento e valorização dos talentos da empresa de forma geral, envolvendo todos os departamentos.

Para o ano de 2011 a aplicação de treinamento será de modo mais intenso e abrangente. Primeiramente, como parte dos eventos e mudanças pela comemoração dos 20 anos de fundação da empresa. Um outro fator a ser colocado em prática na RCO é as novas ações para 2011 envolvendo sustentabilidade, quando as mesmas tiveram início em 2010 onde em outubro a empresa recebe certificação perante a Camargo Correa.

1a. Fase de Treinamento

A primeira fase do programa Desenvolvendo Talentos já aconteceu e tomou toda a manhã de sábado do dia 12 de fevereiro. Durante o evento foi transmitido os seguintes conceitos a todos os colaboradores:

  • Sustentabilidade: integração, transmissão e renovação de conceitos sustentáveis para todos e em especial para os novos colaboradores;
  • Programa 5′S: atualização e retransmissão dos valores do sistema 5′S para a permanência de ambientes produtivos e eficientes;

Ocorreram dinâmicas que procuraram fixar os conceitos transmitidos e descontrair todos os presentes. Para o tema sustentabilidade, abordando o stakeholder “comunidade”, o treinamento contou com a presença de Ademilson Venâncio, paradesportista tambauense que conta com o incentivo da RCO. Ademilson contou a todos suas experiências como atleta, mesmo em cadeira de rodas e a batalha pessoal para reconhecimento de seu trabalho e projeto de vida.

O objetivo da presença do atleta no evento tem por razão chamar a atenção de todos para não se desistir facilmente dos desafios colocados em nossas frente e que basta disposição e foco para que o resultado possa aparecer. E por falar em desafios, a retransmissão dos conceitos do sistema 5´S vem reforçar que todos precisam adotá-los diariamente em seu ambiente de trabalho.

Desenvolvendo Talentos 2011 continuará ainda durante todo o ano, com treinamentos gerais e específicos para cada departamento.

O paradesportista Ademilson Venâncio participando do treinamento.

Dinâmica durante o treinamento: Desenvolvendo Talentos ainda se estenderá por todo 2011.

RCO recebe certificação da Camargo Corrêa

Grupo certificado pela Camargo Corrêa

Grupo de fornecedores certificado pela Camargo Corrêa, aqui representado por Celso Carvalho e Leonardo Assugeni

 A RCO Maschinenfabrik conclui sua participação no programa “Parcerias para Sustentabilidade” organizado pela Camargo Corrêa Construções. Como já noticiado anteriormente, o programa tem por finalidade instruir e certificar fornecedores da empresa dentro de princípios de sustentabilidade e a RCO integrou um seleto grupo de escolhidos para participação no programa entre mais de 20.000 fornecedores que a Camargo Corrêa possui na sua cadeia de suprimentos.

Após 14 meses de treinamento e readequações internas na RCO, o programa é finalizado com  apresentação solene com todos os fornecedores participantes abordando as evoluções alcançadas, contando com as presenças no evento do presidente da unidade de Energia da Camargo Corrêa, Sr. Marco Bucco, a gerente executiva de suprimentos e logística, Sra. Ninel Raven Armada, além de outros diretores, gestores e consultores da empresa onde os mesmos aprovaram os resultados alcançados parabenizando a todos pelo comprometimento e garra para a concretização das diretrizes.

“Sem dúvida é uma grande lição para todos nós. Certamente renovamos nosso compromisso com o cliente e com todos nossos stakeholders envolvidos em nosso projeto de sustentabilidade, garantindo nossa maturidade como empresa e traçando projeções futuras mais sólidas. Sustentabilidade é a garantia de um mundo melhor e equilibrado para todos nós, para toda a humanidade.” – afirma Carlos Donizetti de Oliveira, diretor industrial da RCO Maschinenfabrik.

Para a implantação e a  manutenção da sustentabilidade dentro da empresa, um comitê formando por Celso Carvalho, RH; Daniel Pancieri, engenharia; Leonardo Assugeni, marketing e comunicação e Tatiane Silva, financeiro; garantem a que o dia-a-dia da empresa se oriente sempre por conceitos sustentáveis, além do total compromentimento e apoio da direção.

Certificado

Certificado